Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

TV EM QUESTãO > ‘JORNAL NACIONAL’

Os fatores do desgaste

Por Mailson Ramos em 31/03/2015 na edição 844

Por que um telejornal tradicional da maior emissora de TV do país decaiu em termos de audiência? Quais foram as causas? Quais são os reflexos desta queda? O que se pode interpretar dos baixos níveis de audiência? Será preciso uma revolução na estrutura do Jornal Nacional da TV Globo? Por dois dias seguidos encarei estas questões para tentar elucidar o momento de impopularidade de um dos programas jornalísticos mais assistidos da história da televisão brasileira. Foi possível chegar a algumas conclusões não definitivas sobre a decrescente audiência do Jornal Nacional nos últimos tempos.

A primeira condição a ser analisada é a de que as pessoas encontraram novas maneiras de se informar. A ideia de que o noticiário nas redes nem sempre era tão verdadeiro pelo desconhecimento das fontes caiu por terra. Atualmente, a republicação de notícias de sites nas redes sociais provoca um aumento na percepção de que os telespectadores não podem mais ser simples consumidores da notícia, mas também produtores. E o simples ato de compartilhar, comentar, rebater ou concordar, significa que o navegante tem acesso mais amplo do que aquele sujeito recostado no sofá que recebe e paenas recebe uma informação.

Falta interatividade ao Jornal Nacional? Talvez. Mas não apenas isso. Na era da informática, da velocidade da informação e do compartilhamento de dados, não é possível que televisão ainda conceba um projeto de telejornal engessado como é aquele editado e apresentado por William Bonner. A manutenção do padrão, da história e do estilo jornalístico empregado no Jornal Nacional devem ceder lugar a novas concepções que podem agradar mais ao telespectador. Esta história de que as pessoas devem assimilar as notícias sem muita análise acabou.

A Globo não é a mesma

Mesmo que os responsáveis pelo Jornal Nacional não admitam, grandes erros tem sido cometidos nas coberturas dos escândalos políticos; suprimem-se fatos, aumenta-se o foco sobre outros, define-se um status que molda aos poucos uma parcialidade do jornalismo global. Penso que esta condição é reflexo institucional da emissora, e não apenas uma afetação de seu jornalismo, embora seja o jornalismo o principal canal para disseminação das informações da emissora e, portanto, responsável pela produção de sentido e formulação da opinião pública.

Depois da saída de Fátima Bernardes, o Jornal Nacional jamais conseguiu emplacar uma dupla de apresentadores. Patrícia Poeta surgiu como a salvação da lavoura: bonita, inteligente, disciplinada, mas não uma grande apresentadora. Acabou frustrando todos aqueles que se acostumaram ao estilo e bom-mocismo de Fátima. O posto agora é ocupado por Renata Vasconcelos, que migrou do Bom Dia Brasil e tem apresentado o telejornal ao lado de Bonner.

E para completar a situação, o Jornal Nacional não pode mais se ancorar, por enquanto, na audiência das novelas que o antecedem. As novelas das 18 e 19 horas não têm conduzido um bom número de telespectadores ao início do jornal. As emissoras concorrentes também têm investido em programações interessantes que de algum modo colaboram para a diminuição da audiência do JN. O desgaste é inevitável. Não é possível prever a dimensão dele ao longo do tempo, mas mesmo que não admita, a TV Globo passa por algumas crises. A Globo de hoje não é a mesma Globo de vinte anos atrás.

******

Mailson Ramos é relações públicas

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem