Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

TV EM QUESTãO > NA MORAL

A verdade do artista

Por Urariano Mota em 31/07/2012 na edição 705
Reproduzido do Direto da Redação, 26/07/2012; intertítulo do OI

Parto hoje de um artista de grande mídia, mas que me serve ao propósito de falar da luta arte x capital. Pois assim como a tevê nos usa, na medida em que ao falar dela fazemos-lhe propaganda, cabe a nós também usá-la para fins que ela não queria. Como tento a partir de agora.

A entrevista do ator Pedro Cardoso no programa Na Moral tem momentos que um filósofo diria serem universais. Na ocasião, discutiam os fotógrafos paparazzi, que devassam momentos íntimos dos artistas para os olhos de todo o mundo. Ali, no conhecido recurso da criação caricatural, no rádio e na tevê, que inventa o bandido e o artista de mentirinha, o cinismo de Bial em vídeo anuncia o inimigo “númuro” 1 dos paparazzi. Então entra Pedro Cardoso.E vem a primeira nota fora do script, porque o artista assim fala: 

“Aqui falta o personagem mais importante nessa discussão, falta o capitalista…. Há uma enorme distinção entre os fatos da minha vida privada e os fatos que são públicos.” Ao que intervém Bial: “Mas seguindo o seu raciocínio, o empresário busca o ganho, pra evitar a palavra lucro”, isso o Big Brother fala, com a cara de nojo mais fingida. E continua: “O empresário quer vender revista. As pessoas compram essas revistas. Esses sites são os mais acessados, os sites de celebridades”. Ao que responde Pedro Cardoso, com raro brilho: “É, os alemães também compraram o nazismo por esse teu raciocínio. A sociedade tem demandas, mas nem todas as demandas da sociedade são a saúde dela”.

A primeira surpresa nessa fala de Pedro Cardoso é a palavra “capitalista”, que nunca se ouve ou se vê na tevê e no rádio, banida que está como um sonoro palavrão. O que bem entendemos, pois ladrões não têm o costume de se chamar pelo nome. A segunda surpresa é o recuo histórico que faz até o rosto de horror do capital, a violência nazista, para iluminar o conceito de que nem toda demanda social é boa para a saúde de toda a gente. Isso numa emissora que vive do ibope como um tumor que vive de nossas forças de vida, é um achado. Se liberdade de fato ele tivesse, diria que o dano humano das telenovelas é proporcional a sua audiência. Que o próprio engenho da Globo somente foi possível com a ditadura, como uma vez me declarou Dina Sfat, numa entrevista no Recife.

Feira dos artistas

Mas na fala do ator também há uma esperta contradição da mídia. O seu próprio discurso no programa se inscreve na contradição geral da liberdade. Observem a pergunta de Bial a certa altura, levantando a bola para o fotógrafo cortar: “O que Cardoso está fazendo agora?”. E responde o paparazzo, transformado em instrumento pelo apresentador: “Ele está dentro da casa da TV Globo”. Ao que fala Pedro Cardoso, dando de ombros: “Eu posso ir para outro programa”. A isso ironiza Bial: “Você pode dizer que não pode vir”, e suspira, senhor das câmeras, para completar o seu veneno: “ai, ai…”.

O que vale dizer, em tradução livre: “ô cara, você não é livre para nada, nem mesmo para dizer que não vou a este ou àquele programa. O nosso peitinho, a rede Globo, é quem paga o melhor salário. Para de encenação”. A essa constatação, cínica, legitimadora do direito de se vender não importa o preço, que vai além do pagamento em dinheiro, a tal paredão, a que todo artista em algum lugar ou hora terá que sofrer no dilema entre a sobrevivência física e a defesa da própria alma, a isso a melhor resposta vem de Pedro Cardoso em um instante fugaz, de legitimação torta da liberdade do veículo: “É tudo mentira. É tudo business. Há uma demanda social, mas a demanda não é para a mentira”.

Ouvir isso faz um bem imenso. Essa frase vem na contramão de que o artista é só um fingidor, um canalha que finge, como não se cansa de repetir o entendimento vulgar de Fernando Pessoa. Na verdade, o ator, o poeta, o escritor buscam meios que falem da dor, real, da felicidade, transformadora, que dá sentido à vida de toda a gente. Essa frase de Cardoso acende por fim a lembrança de que o conflito entre o artista e o capitalismo é uma luta sem quartel. Até aqui o capital tem vencido, mas em batalhas continuadas o capitalismo, que criou para os artistas uma indústria de falsos egos, tem sofrido importantes derrotas. Quais? De passagem e na superfície, lembro a simples existência pública de García Márquez, Buñuel, Glauber Rocha, João Cabral de Melo Neto.

A feira dos artistas precisa da exposição que o capital dá. Mas a sua arte é uma revolta contra essa exposição. Mídia e capital pornográficos estão por ora soberanos, mas a arte continua a existir, somente porque está em revolta contra essa inumanidade. O vídeo da entrevista de Pedro Cardoso está aqui.

***

[Urariano Mota é jornalista e escritor]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem