Quinta-feira, 24 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

TV EM QUESTãO > ERA DE OURO

O fim do enlatado americano

Por Daiana Sigiliano em 31/12/2012 na edição 727

Não há como negar: a TV mudou. O que era considerado um primo pobre e mainstream da sétima arte ganhou força e hoje apresenta semanalmente uma revolução. São novos atores, roteiristas, tramas complexas e personagens únicos. Desde a expansão dos canais americanos e a possibilidade de um orçamento mais acessível, a TV vem mostrando grandes obras, se arriscando e inovando, não só em termos de narrativa, mas de ações de marketing. São conteúdos transmídia, Social TV, second screen, enfim, a plataforma apresenta atualmente um produto único e que reflete a multiplicidade do novo espectador.

A TV trouxe aos roteiristas a liberdade. Se antes eles eram instruídos a seguir regras e fórmulas já testadas e aprovadas pelos bambambãs de Hollywood, hoje existem inúmeras possibilidades e, acima de tudo, a presença do público segmentado. Há uma versatilidade de tramas, personagens, arcos narrativos que são explorados aos poucos, sem a pressa e a fugacidade das bilheterias. Histórias profundas e complexas que vão sendo desmembradas a cada temporada de take em take. Em sua plena Era de Ouro, a TV vem atraindo nomes já consagrados do cinema. Nomes como Martin Scorsese e Steven Spielberg, que deixaram suas produções milionárias para se dedicar a séries com custos menores, mas com tempo hábil para desenvolver longos diálogos e estabelecer uma relação de proximidade com o público, coisa que só acontece na TV.

Revolução assistida

A linguagem televisiva tem a pausa necessária para o espectador e o intérprete digerirem os acontecimentos. Grandes performers, como Jessica Lange e Glenn Close, hoje nos presenteiam com interpretações brilhantes e personagens redondas com camadas profundas que casam perfeitamente com suas tramas. E não é só de gênios já consagrados que vive a TV, afinal o que dizer de Lena Dunham? A jovem escritora acumula funções em Girls e inova ao retratar uma geração que se afoga em informações, tem a possibilidade de se conectar com o mundo, mas se sente sozinha a todo instante.

Hoje, a TV atinge sua maturidade e temos a sorte de poder desfrutar de tantas obras de qualidade. Porém, ainda é preciso conquistar o olhar sem preconceito dos estúdios e dos tão “selecionados” amantes do cinema para reconhecer que, agora, a TV está à frente. Vivemos uma revolução assistida!

***

[Daiana Sigiliano é integrante do grupo de estudos e projetos EraTransmídia dos Inovadores ESPM e jornalista]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem