Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > CQC

Falta de ética

Por Carlos Golembiewski em 23/03/2010 na edição 582

Indignado. Assim me senti na última segunda-feira (dia 15/03), ao assistir a mais a uma edição do programa CQC da Rede Bandeirantes de Televisão. Os meninos voltavam das férias. Esperava algo novo e não aconteceu. A minha revolta é com o quadro feito no Congresso Nacional em Brasília. Mudaram o repórter; agora é uma moça, antes era um rapaz. O estilo continua o mesmo: o ataque. Falo em ataque porque é isso que a moça, travestida de repórter, faz. O político está caminhando e, de repente, aparece um microfone na sua frente. Opa! Isso é agressão. E, o que é pior, as perguntas são agressivas e condenatórias.

Está certo, lá há muita corrupção. Mas devagar com o andor… O Congresso Nacional simplesmente reflete o que a gente vê nas ruas do Brasil. Pessoas de bem e bandidos. Ambos existem em todas as áreas, nas diferentes profissões. Assim são os políticos. Aquela casa já abrigou figuras como Tancredo Neves, Ulisses Guimarães e ainda conta com gente de bem, como os senadores Marco Maciel e Pedro Simon, o deputado Paulo Paim, entre outros que tantas leis fizeram e serviços já prestaram a essa nação. As TVs da Câmara e do Senado prestam um serviço inestimável ao país, mostrando o trabalho realizado pelo legislativo. Além disso, valorizam a cultura brasileira.

Crítica, mas não assim

O que me revolta é colocar todos no mesmo balaio. É pura falta de respeito. Julgar e condenar todos os políticos que passam à sua frente. Aliás, quem é o CQC para cobrar ética de quem quer que seja, se a sua prática em Brasília fere os princípios do bom jornalismo? Também essa atitude vai contra o jornalismo sério e de credibilidade praticado pelo grupo Bandeirantes. Sei que o programa é de humor, de entretenimento, mas um mínimo de respeito com o povo e a jovem democracia seria fundamental. Cabe ainda lembrar que o programa é visto por milhares jovens que não sofreram a ditadura e serão os nossos políticos amanhã. Aliás, o CQC se esquece de dizer que, no passado recente, o Congresso chegou a ser fechado. Não tínhamos os políticos, éramos comandados pelos militares. É isso que o CQC quer?

Para finalizar, gostaria de lembrar que se não fosse a luta de milhares de brasileiros pela democracia que temos hoje, inclusive de políticos que estão no Congresso Nacional, programas como o CQC nem estariam no ar. Por isso, façam a crítica, melhorem a nossa democracia, mas não dessa forma.

******

Jornalista e professor

Todos os comentários

  1. Comentou em 30/03/2010 Julio Prático

    ‘Bem Intencionado’, no jargão político, virou sinônimo de ‘Não Rouba’. O cara se depara com os maiores absurdos da Terra – mensalões, propina, orgias pagas com dinheiro público, laranjas, um povo roubado a 500 anos, e fica quietinho, ?ianinho, mas mesmo assim ele é considerado ‘BEM INTENCIONADO’. Transforme a profissão do político em uma atividade voluntária, não remunerada e eu quero ver quantos ‘bem intencionados’ continuarão lá. Quanta inocência e quanto rabo-preso nesse país…

  2. Comentou em 23/03/2010 Brasiliano Vito Fico

    O articulista deve estar brincando. Paulo Paim, Marco Maciel????!!!
    Jornalismo sério e de credibilidade da Rede Bandeirantes???!!!
    Sai pra lá.
    Viva o humor libertário!

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem