Domingo, 17 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

ENTRE ASPAS >

Luís Nassif

25/05/2004 na edição 278

‘A ascensão do software livre (SL) não é meramente uma reação contra o predomínio da Microsoft. Significa uma mudança radical no próprio modelo de negócios do setor e de apropriação de conhecimento pelas empresas desenvolvedoras.

Como é o modelo atual? A empresa X, cliente, tem conhecimento sobre determinado processo que ela pretende informatizar. O conhecimento é dela. Então, ela contrata uma desenvolvedora e transfere esse conhecimento, para que seja transformado em programa.

A desenvolvedora compra um software proprietário, fechado, paga pelas licenças e desenvolve o produto.

O cliente paga pelo desenvolvimento, mas o conhecimento fica com o desenvolvedor, que cria uma biblioteca com todos os conhecimentos que vai adquirindo dos sucessivos clientes e a utiliza em seus trabalhos futuros. O conhecimento é do cliente; o copyright, do desenvolvedor.

O cliente Y quer um processo similar ao do cliente X, com algumas mudanças. O desenvolvedor vai à sua biblioteca, pega os módulos já desenvolvidos, faz as implementações propostas e vende como se fosse um desenvolvimento novo.

O software livre vem para substituir essas duas formas de propriedade intelectual: o software proprietário (as licenças do fabricante) e o desenvolvimento -paga pela informatização da sua idéia e ainda deixa a idéia para o desenvolvedor.

No sistema de SL, o jogo é outro. Alguém inicia o desenvolvimento ou de um sistema operacional, ou de um banco de dados, ou de um aplicativo qualquer.

A partir desse tiro inicial, a comunidade vai se formando, todos trabalhando em rede. A empresa X contrata um desenvolvedor e encomenda a informatização de determinado processo. O desenvolvedor vai até a comunidade e se informa se existe algum desenvolvimento similar. Se existir, ele baixa em seu computador e adiciona as implementações solicitadas pelo cliente. Depois, devolve as implementações para o grupo.

O grupo se comunica por meio de salas virtuais, utilizando listas de discussão ou salas de chats. Com o avanço da banda larga e das redes corporativas, dezenas de desenvolvedores, às vezes centenas, ficam ligados, em tempo integral, trocando informações, conselhos e implementações.

Nesse modelo, a apropriação do conhecimento sai das mãos do proprietário da licença e do desenvolvimento para a sociedade.

O conhecimento que estou acumulando sobre SL faz parte desse modelo. Entendi melhor sua natureza entrando em uma lista de discussão aberta, em que pessoas anônimas colocavam suas opiniões livremente. Não precisei entrevistar uma fonte, ir atrás de uma literatura para aprender.

Bastou provocar o grupo, suportar algumas bestas-feras comuns em grupos de discussão aberta e recolher pepitas de ouro em meio ao cascalho. É ou não é uma revolução do conhecimento?

Deboche

Do presidente da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), Luiz Leonardo Cantidiano, ontem, em ‘O Globo’: ‘A CVM tem que olhar mais para o pequeno investidor. O investidor grande e qualificado sabe se defender. Não me venha aqui reclamar na CVM se fez um mau negócio e escolheu um mau sócio’.

Não dá mais para o governo Lula fingir que não existe o problema CVM. O que está ocorrendo é uma humilhação para a consciência jurídica nacional e uma demonstração de falta de governo.’



TV GLOBO
Daniel Castro

‘Especial da Globo contracena com passado’, copyright Folha de S. Paulo, 24/05/04

‘A Globo vai exibir em abril do ano que vem um programa que usará a tecnologia para contar os 40 anos da dramaturgia da rede.

Como no filme ‘A Rosa Púrpura do Cairo’ (1985), de Woody Allen, personagens ‘reais’ (ou atuais) irão contracenar com personagens ‘virtuais’ (ou antigos). No caso, imagens feitas em 2004 ou 2005 irão interagir com cenas de novelas e programas antigos.

Uma primeira versão do roteiro do programa acaba de ser feita por Euclydes Marinho, autor de novelas da Globo. Trata-se de uma história romântica a ser estrelada por dois grandes atores, que sejam representativos da ‘cara’ da Globo em seus 40 anos (Tarcísio Meira e Glória Menezes, por exemplo).

No especial, os personagens irão ‘passear’ pela história das novelas da Globo. Em determinada cena, hipoteticamente, poderão contracenar com Gabriela (Sonia Braga), em ‘Gabriela’ (1975), ou com Odorico Paraguaçu (Paulo Gracindo), do seriado ‘O Bem-Amado’ (1980-84). A colagem, em computador, usará imagens originais das novelas.

O projeto vem sendo mantido em sigilo pela TV Globo. Irá ao ar na semana de 26 de abril de 2005, quando a emissora completa 40 anos. Nessa semana, todos os dias, após a novela das oito, a emissora irá exibir um especial sobre sua história. Além de dramaturgia, haverá especiais sobre humor e musicais.

OUTRO CANAL

Baba, baby

Kelly Key vai apresentar um programa infanto-juvenil na Band, das 17h às 18h. Estréia antes de agosto.

Marmanjos

A cobertura da Band das Olimpíadas será ancorada de Atenas por José Luiz Datena e Jorge Kajuru.

Veto 1

Assim como no ano passado, a organização da Parada Gay de São Paulo, em 13 de junho, não vai credenciar programas humorísticos, como o ‘Casseta & Planeta’. Isso impede os humoristas de subirem em trios elétricos, mas não de participar do evento no asfalto (como fizeram os cassetas em 2003).

Veto 2

Além do ‘Casseta’, estão vetados programas religiosos e os de João Kléber e Luciana Gimenez, na Rede TV!, acusados de promover uma imagem caricata e preconceituosa dos gays.

Chacina 1

A naufragada novela ‘Metamorphoses’ vai sofrer uma metamorfose em 11 de junho, quando entram novos personagens (todos caipiras). Haverá também matanças, viagens e promoções de personagens que não emplacaram.

Chacina 2

Pérola do comunicado oficial distribuído pela Record, sobre as mudanças na novela: ‘O folhetim tradicional que as donas de casa adoram e ligam para a Record colocar no ar tem data marcada para começar’. Fala sério! A novela estreou em março.’

***

‘‘Malhação’ bate ‘Celebridade’ na internet’, copyright Folha de S. Paulo, 23/05/04

‘A novela ‘Malhação’ é a campeã de audiência da Globo na internet. Foi a mais vista no portal Globo.com desde 3 de maio, quando a Globo abriu na web a íntegra de quase todos os seus programas. Só uma cena da novela teve 120 mil acessos em um único dia.

‘Malhação’ (que deu 33 pontos no Ibope na última segunda) foi mais assistida na internet do que ‘Celebridade’, maior audiência da emissora (52 pontos). Em terceiro lugar no ranking ficou a programação do canal GNT, seguida pelo ‘Globo Esporte’ e pelo ‘Fantástico’.

Há uma explicação: os jovens, público-alvo de ‘Malhação’, são mais ‘plugados’ do que os adultos.

OUTRO CANAL

Saias Vladimir Brichta participará pela segunda vez da série ‘Sexo Frágil’, da qual iria fazer parte do elenco original, mas não pôde por, na época, estar em ‘Kubanacan’. Na tradição do seriado, Brichta interpretará um homem (Renato) e uma mulher (Valentina), em junho.

Time Isabel, musa do vôlei, Luísa Parente (ex-ginasta), Magic Paula (basquete) e Mariana Roriz (pólo aquático) são as primeiras contratadas da Band especialmente para as Olimpíadas de Atenas. Elas serão comentaristas.

Terror ‘Kingdom Hospital’, série que marcou a estréia do escritor Stephen King como produtor de TV, vai passar na TV paga brasileira. Estréia dia 31 no canal AXN.’



TV PAGA
Bruno Yutaka Saito

‘Fãs se preparam para término de séries’, copyright Folha de S. Paulo, 23/05/04

‘Amizade é um bem eterno -eternidade que dura enquanto uma das partes continua perdoando as pequenas mancadas diárias do outro. Para quem tem como ‘amigos’ os seis jovens adultos de ‘Friends’ ou as quatro moças de ‘Sex and the City’, a relação é perfeita, já que eles nunca cometem falhas. São amigos belos e engraçados, que sempre estão fielmente ao seu lado (na TV).

Mas, dessa vez, esses amigos virtuais vão cometer um grave atentado à boa convivência. Eles irão sumir sem maiores explicações, já que, nos EUA, essas séries acabaram. No Brasil, os fãs abandonados de ‘Friends’ e ‘Sex and the City’ -cujos episódios derradeiros irão ao ar, respectivamente, nos dias 6/7 na Warner e 2/8 no Multishow- tentam se conformar com a nova vida, com amigos a menos, e planejam encontros para assistir aos desfechos.

Para alguns fãs, o clima terá mais a ver com velório. ‘Vai ser um momento triste para as pessoas que amam ‘Friends’. Quero estar sozinha na minha casa, com um balde de pipocas e lenços de papel, torcendo para o Ross ficar com a Rachel’, diz a designer Elaine de Oliveira, 27.

Quem pode dar uma dica de como superar essa ‘separação’ é a estudante de história Pollyana Assumpção, 21, que fez uma espécie de exorcismo coletivo. Ela baixou o último episódio pela internet no dia seguinte à exibição nos EUA. ‘Fiz um encontro com amigos para assistir ao último episódio e chorar em grupo.’

Contágio via DVD

À primeira vista, pode parecer exagero dizer que há tal comoção entre fãs brasileiros, uma vez que, na TV aberta, as exibições dessas duas séries não arrebataram audiências espetaculares -atualmente o SBT exibe ‘Friends’, e a Rede 21 (UHF) traz ‘Sex’.

Entre os fãs sem TV a cabo, o ‘vício’ se deu por outras vias, geralmente via DVDs com temporadas completas das séries ou episódios baixados pela internet.

‘Meu processo de ‘adição’ a ‘Friends’ começou quando aluguei as temporadas na locadora. Foi quando passei a assistir aos episódios em seqüência que comecei a curtir’, diz o analista de comércio exterior Maurício Souza Fonseca, 35, que comprou todas as caixas da sitcom lançadas no Brasil (uma caixa, que possui quatro DVDs, custa R$ 100, em média), além de baixar da internet a décima temporada.

Alguns fãs não se incomodam em pagar certos micos. O músico Marcelo Bernardes, 30, por exemplo, mesmo sendo telespectador do canal Warner, resolveu comprar todas as caixas de ‘Friends’ .

Sua paixão fez com que adquirisse um hábito peculiar. Bernardes costuma passar um bom tempo ‘admirando’ a sessão de DVDs de lojas. Quando aparece um estranho, ele puxa conversa e faz propaganda (gratuita) da série. ‘Já cheguei a convencer uma senhora que não conhecia ‘Friends’ a comprar uma caixa.’

Segundo a Warner, até agora foram vendidas entre 20 e 25 mil caixas de ‘Friends’ (somando as cinco temporadas). A Fox não divulga as vendas de ‘Sex’. Na locadora 2001, a quarta temporada de ‘Friends’ é o DVD mais vendido; na Blockbuster, entre os 20 DVDs mais vendidos, figuram quatro temporadas de ‘Friends’ e duas de ‘Sex’ (as lojas também não divulgam números).

Se entrarmos na internet, uma rápida busca mostra que o número de fãs cresce a cada dia. A lista de discussão friendsBR, por exemplo, conta com 400 membros. Já no Orkut, os números impressionam. A comunidade Friends Brasil, por exemplo, contava com 462 membros até a última quinta-feira (uma semana antes, contava com 370 membros); Sex and the City Brasil tinha 142 membros no mesmo período (na semana anterior, 45 integrantes).

Manias e festas

A rede NBC, de ‘Friends’, já deu suas dicas de como fazer uma festa inesquecível no dia do último episódio (leia texto ao lado), que, nos EUA, foi ao ar no último dia 6 e teve cerca de 51,1 milhões de telespectadores.

A dica da estudante de publicidade Louise Duarte, 29, é fazer uma festa em que não falte comida, com ‘pizza, cookies e coisas que lembram a série’.

Os finais desses programas são segredos apenas para quem quer curtir o gosto da surpresa, afinal não faltam sites relatando os desfechos. Esse não é problema para a jornalista Carol Pansini, 26, que planeja assistir ao final de ‘Sex’ com uma amiga. ‘Já sabemos com quem Carrie vai ficar, mas nem estamos tão ansiosas. Apenas queremos analisar juntas o que essa série quis transmitir.’

Situação parecida vive a também jornalista Raphaela Ximenes, 30. ‘Não tenho lido nada sobre o que aconteceu e estou pedindo para ninguém me contar’, diz. Ela não planeja seguir o guia da NBC. ‘Eu e alguns amigos vamos fazer apenas uma reunião. Somos ‘nerd’, mas nem tanto.’

Como disse o jornalista Thomas Friedman no ‘New York Times’, o fim de ‘Friends’ é emblemático. ‘São os únicos amigos que [os americanos] temos, e até eles estão indo embora’, escreveu em texto sobre a Guerra no Iraque.

Por aqui, a barreira do idioma e da cultura não impediram que essas duas séries alterassem a vida de fãs. Carol, por exemplo, diz que varou as madrugadas do Carnaval deste ano em casa assistindo às temporadas.

Tal identificação faz com que alguns fãs ‘brinquem’ de ‘Friends’. Catarina Fürst, 25, diz que tem um grupo de amigos que se parece com a turma de Ross. ‘Tem um café em Belo Horizonte que lembra um pouco o Central Perk, e a gente sempre fica p. da vida se pegam nosso lugar no sofazinho.’ O estudante de publicidade Caio Pereira, 18, aprendeu a falar inglês prestando atenção nos diálogos ácidos de ‘Friends’, além de ter considerado o Chandler da sua turma.

Mas amigos fiéis mesmo não vão embora, como o publicitário Carlos Wainer, 31. ‘Sei que na semana seguinte [ao final] eles estarão ali na TV novamente. E quem gosta não se cansa de assistir a episódios antigos, como se fossem novos.’’



Miriam Aquino

‘Slim demonstra interesse no mercado de TV a cabo para Lula’, copyright Telecom Online, 20/05/04

‘O presidente honorário da Telmex, Carlos Slim, na reunião que teve com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro das Comunicações, Eunício Oliveira, afirmou que tem interesse em investir em outras áreas da economia brasileira e pretende engajar empresários mexicanos e latino-americanos a participarem do PPP (parceria público-privada), programa que está para ser aprovado pelo Senado Federal. Ele demonstrou interesse também em investir nas estradas brasileiras. Segundo Eunício Oliveira, o empresário não falou explicitamente sobre a Net (há rumores no mercado de que ele já teria fechado a compra com a Globo), mas disse que pretende também ‘ levar a TV a Cabo para mais lares brasileiros’.

Segundo o ministro, questões específicas – como tarifas ou as golden shares pleiteadas pelo governo para a Star One – não foram abordadas na reunião. Slim reiterou ao presidente o seu interesse em ampliar os investimentos na Embratel e só aguarda a obtenção da licença da Anatel para dar início à renegociação da dívida da carrier, que ultrapassa US$ 1 bilhão.’



Pay-TV News

‘Ministro diz que Carlos Slim tem interesse em TV paga’, copyright Pay-TV News, 20/05/04

‘O ministro das Comunicações Eunício de Oliveira confirmou que na reunião entre o presidente Lula e o controlador da Telmex, Carlos Slim, realizada na quarta, 19, o empresário mexicano mostrou-se interessado em participar do mercado de TV a cabo brasileiro. No entanto, Eunício disse que Carlos Slim não falou especificamente em comprar a Net. Segundo analistas, o empresário mexicano tem forte interesse pela rede de TV paga.

Nomeações

O ministro afirmou que enviou para a Casa Civil os seguintes nomes para ocupar a vaga de Luiz Guilherme Schymura no conselho diretor da Anatel: Márcio Wohlers (assessor especial do Minicom); Regina Maria de Felice Souza (diretora do departamento de serviços e de universalização de telecomunicações) e Plínio de Souza Aguiar (diretor do departamento de indústria, ciência e tecnologia). O ministro disse, entretanto, que há outros nomes em análise, indicados por outras pessoas do governo. Em relação à secretaria de telecomunicações, o ministro reafirmou que será uma indicação técnica, mas não quis revelar seus indicados. Sobre a possível nomeação de Aristóteles dos Santos, indicado pela Fittel, para ocupar a ouvidoria da Anatel, Eunício afirmou que é um bom nome, mas não quis confirmar se esta é a escolha do governo.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem