Sábado, 24 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

TV EM QUESTãO >

Para que serve a crítica de televisão?

Por Maura Oliveira Martins em 15/07/2015 na edição 859

Cenas interessantes emergiram da esfera do “mundo da televisão” esta semana: durante uma edição do programa A Tarde é Sua, da Rede TV!, a apresentadora Sonia Abrão reservou seis minutos para criticar o texto do jornalista Mauricio Stycer em que ele explicitou a super-exploração da morte do sertanejo Cristiano Araújo. Pauta de (até então) ao menos oito edições consecutivas do programa, o crítico sistematizou no seu texto os temas pelas quais a tragédia se desdobrou – forçosamente – em abordagens diversas, muitas de baixíssima relevância.

Sonia Abrão

Reproduzido do blog Na TV

Há algo de muito interessante neste “embate”, que se evidencia, sobretudo, nos argumentos de Sonia Abrão para desqualificar a visão do jornalista. Reproduzo suas falas conforme registradas no próprio blog de Mauricio Stycer. Segundo a apresentadora, a exploração exacerbada, na verdade, corresponderia a uma “homenagem” e ao “atendimento a um anseio do público”, como “maneira de amenizar o luto”. Sua fala também listou suas credenciais e de sua equipe: falando diretamente ao crítico, comparou o conhecimento de televisão deste jornalista ao do diretor do programa. Finalizou ainda com a seguinte frase, que merece destaque: “Você não sabe mais que eu, como apresentadora. Você não sabe mais do que nossa equipe. E você não sabe, porque está com viseira, qual é realmente o anseio do público.”

É um episódio de absoluta riqueza para pensarmos na relação entre a crítica jornalística e a vida profissional diária, daqueles que, como sugere Sonia Abrão, entenderiam o público. Afinal, qual a função do trabalho de tantos outros profissionais que se propõem, como carreira, a pensar analiticamente o que fazem os meios de comunicação? Para quem falamos, afinal – para nós mesmos (como talvez dê a entender a apresentadora do A Tarde é Sua)? Para os espectadores, para que possam se tornar mais exigentes quanto àquilo que assistem? Ou para os próprios profissionais, para que repensem suas práticas?

Há um equívoco crucial na defesa de Sonia Abrão, que se salienta no comentário de que o crítico não veria a realidade por usar uma “viseira”. A colocação insinua a visão – típica do senso comum, diga-se – de que o crítico se mantém em uma posição distanciada da realidade e do público, isolado por uma “torre de marfim” (como se dizia antigamente), diametralmente oposta à posição do profissional, “daquele que faz”. Daí para se reproduzir a máxima batida de que o crítico é “aquele que queria fazer, mas não sabe” é um pulo.

Vítimas ou cúmplices da televisão?

Por outro lado, o posicionamento traz uma reflexão interessante sobre a função da crítica, que sempre se confronta com esta dualidade das “coisas como são” e “como elas deveriam ser”. Ou seja, muitos dos que reclamam das leituras feitas pelos críticos talvez se manifestem dizendo coisas como: “experimente estar no meu lugar, com as condições de trabalho que eu tenho [entra aqui o vasto rol de argumentos: baixos salários, muitas coisas para fazer, cobranças comerciais pela audiência, falta de bons equipamentos, etc.], e tente fazer melhor!”. Invalidam a crítica por ela, muitas vezes, negligenciar o processo, o modus operandi, as forças maiores que as (boas) vontades dos profissionais. Têm certa razão ao dizer isso.

Porém, a fala de Sonia Abrão se torna mais perigosa, a meu ver, ao defender o seu tipo de jornalismo (por falta de melhor palavra que o classifique) na premissa da compreensão do “anseio do público”, de entender melhor as necessidades de sua plateia (não por acaso, o programa se chama “a tarde é sua”) do que aqueles que a criticam. É o típico discurso que busca legitimar todos os excessos cometidos no intuito de suprir uma necessidade não atendida, por exemplo, pelo poder público. Note-se, por exemplo, a vasta quantidade de programas policiais que se fundamentam na ideia de que “confortam” uma população cansada e esquecida – pela polícia, pelos governos, pelas instituições etc. – apagando aí a constatação de que não é a exploração dos dramas que ocasiona a solução dos problemas.

Neste sentido, o “conflito” Abrão vs. Stycer é muito útil para evidenciar que, afinal, crítica e prática não são instâncias isoladas e só fazem sentido quando se oxigenam mutuamente. Não deixa de ser um sintoma muito positivo ver a apresentadora comentando, ou rebatendo, o texto do crítico em seu programa televisivo. Sinal que, de fato, a crítica está sendo útil e está sendo lida por aqueles que aborda. Não poderíamos desejar nada melhor. Quem ganha é o público.

Por fim, uma reflexão: o que justifica os longos anos no ar de programas ao estilo de A Tarde é Sua que esticam tragédias cotidianas, muitas vezes falando sobre nada, e noutras mais prejudicando a população do que prestando um serviço a ela? Creio que há uma espécie de guilty pleasure que nos atrai, quase sob hipnose, para um programa que coletivamente é assumido como ruim. Lembro-me do clássico Sobre a Televisão, do sociólogo Pierre Bourdieu, que em certo momento se pergunta se a premissa de que somos vítimas da televisão não esconde o quanto também somos cúmplices. É algo a se pensar.

***

Maura Oliveira Martins é jornalista, professora universitária e editora do site A Escotilha

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem