Quarta-feira, 20 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

TV EM QUESTãO > LIDERANÇA AMEAÇADA

Telejornal da CBS encosta no rival da ABC

Por Marcel Pazzin em 16/05/2006 na edição 381

Na semana passada, soaram os fogos de artifício na divisão de jornalismo da rede americana CBS. Pela primeira vez em anos, o telejornal nacional noturno CBS Evening News está ameaçando tomar o segundo lugar em audiência do concorrente World News Tonight, da concorrente ABC. De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nielsen – responsável por medir a audiência de televisão nos Estados Unidos –, o informativo da CBS atingiu na semana de 1º de maio a média nacional de 7 milhões de telespectadores, somente 310 mil atrás do World News Tonight, que marcou 7,3 milhões.

Nos últimos anos, era uma constante para o CBS Evening News ser assistido por no máximo até 6 milhões de americanos. Medalhista de ouro, o NBC Nightly News, apresentado por Brian Williams, seguiu no topo com 8 milhões de telespectadores. Os dados da Nielsen revelaram ainda que a CBS foi a única rede de televisão a apresentar aumento no número de telespectadores durante o horário de exibição dos telejornais nacionais – às 18h30-19h ou 17h30-18h, dependendo do fuso horário – enquanto a NBC perdeu 620 mil telespectadores e a ABC, 1,2 milhão.

Exemplo no Brasil

A reação do noticiário da CBS é atribuída em parte às reformulações implementadas pelo apresentador Bob Schieffer e ao novo diretor Rome Hartman. Schieffer assumiu o comando do telejornal em março do ano passado, quando o âncora Dan Rather deixou o posto e o cargo de editor-chefe por conta da gafe em reportagem sua para o jornalístico semanal 60 Minutes 2‘, ao apresentar documentos de origem não-autenticada sobre a passagem do presidente George W. Bush pela Guarda Aérea Nacional. O equívoco feriu a imagem da divisão de jornalismo da CBS News e teve como conseqüências diretas a demissão de quatro produtores, a extinção do jornalístico semanal e a saída de Dan Rather do telejornal diário, após 24 anos.

Bob Schieffer, que já era conhecido do público por apresentar o programa de entrevistas dominical Face The Nation, deu tom mais informal ao noticiário e aos diálogos com repórteres ao vivo. A outra razão foi o anúncio recente da contratação e a expectativa em torno da estréia da jornalista Katie Couric como editora-chefe e apresentadora do telejornal em setembro. Ela aceitou convite do presidente da rede CBS, Les Moonves, e deixará a NBC, onde ainda trabalha, no fim deste mês, após pelo menos 15 anos na co-apresentação diária da revista jornalística matinal Today‘.

Ao abrir mão de um horário periférico num jornalístico de sucesso e assumir outro que há anos figura com dificuldades de audiência no horário nobre de uma concorrente, Katie Couric, com sua opção, lembra capítulo recente do telejornalismo brasileiro. Após 18 anos na Globo, Ana Paula Padrão assumiu o telejornal noturno SBT Brasil que, assim como o CBS Evening News, não consegue sair da terceira colocação na faixa em que é exibido. Após pelo menos quatro mudanças de horário, o noticiário da rede de Silvio Santos alcança média na casa dos 6 ou 7 pontos, atrás da novela Prova de Amor da Record (que na terça dia 9 marcou 20 pontos de média, segundo o Ibope) e do Jornal Nacional, da Globo (que na quarta dia 10 teve média de 35).

‘Talentos marcantes’

Katie Couric é vista pela direção da rede americana como um ímã para atrair uma audiência demograficamente mais jovem e reformular a essência do CBS Evening News, que reúne público em média acima dos 50 anos. Um futuro colega da CBS lança um olhar cômico sobre esta estréia. David Letterman comentou em seu programa Late Show a saída de Bob Schieffer, 69 anos: ‘Agora, o cara mais velho e chato da CBS serei eu’.

Mas Katie Couric não é a única novidade da CBS no segundo semestre. No 60 Minutes, exibido nas noites de domingo, Anderson Cooper, uma das estrelas do canal a cabo CNN, será repórter especial, mantendo seu programa diário, Anderson Cooper 360 na CNN, onde está desde 2001. Pelo contrato assinado com a CBS, serão até cinco grandes reportagens por ano para o jornalístico dominical, que poderão ser reapresentadas no programa da CNN (que os brasileiros podem ver na CNN Internacional).

‘Estou verdadeiramente honrado de participar do 60 Minutes e estou ansioso para trabalhar com (o diretor) Jeff Fager e todos os talentos marcantes da CBS News’, disse o jornalista ao informativo Zap2It. O jornalista, filho da atriz Gloria Vanderbilt, fez para o 60 Minutes em 2004 duas reportagens sobre o uso de esteróides e hormônios do crescimento entre jogadores de futebol americano. ‘Cresci assistindo a esse programa e, como muitos americanos, ainda tento estar em casa aos domingos às sete da noite para vê-lo’. De cabelos brancos e ligeiramente gago, Anderson Cooper destacou-se na CNN pela cobertura sobre a passagem do furacão Katrina pelo sul dos Estados Unidos no ano passado, por muitos considerada emotiva.

CBS líder

Apesar do megassucesso de American Idol na Fox (exibido no Brasil pela Sony), como o programa mais visto da televisão americana, a CBS ainda é a mais assistida em termos gerais de audiência. Exceto no quesito jornalismo. Mas se a ligeira melhora do CBS Evening News impressionou, tem derrapado o Late Show de David Letterman, pela primeira vez com a posição ameaçada pelo Nightline, da concorrente ABC. Nos últimos meses, a diferença entre os dois diminuiu drasticamente. Nos últimos 15 dias, na faixa das 23h30 à 0h30, o líder The Tonight Show marcou médias ao redor dos 4,2 pontos e participação de 10% nos televisores ligados, segundo o Nielsen. Letterman teve 3,6 pontos, com 8%, e Nightline encostou, com 3,2 e 7%. Essa ascendência da ABC é atribuída ao repertório repetitivo (embora engraçado) de David Letterman e ao efeito da recente reformulação do Nightline. Após apresentar o programa por pelo menos 25 anos, o jornalista Ted Koppel passou o bastão em novembro a três novos apresentadores: os correspondentes Terry Moran, Cynthia McFadden e Martin Bashir – conhecido do público por sua polêmica entrevista com Michael Jackson em 2003; o programa foi considerado tendencioso e Jackson encaminhou outro programa em forma de resposta.

Com isso, Nightline ganhou dinamismo e retomou o diálogo com uma faixa mais jovem de telespectadores. A ameaça de perder o segundo lugar causou reações no Late Show. Um roteiro com piadas mais criativas foi preparado e convidados de renome voltaram a passar pela poltrona dos entrevistados. Recentemente, participaram na mesma semana os atores Tom Hanks, Tom Cruise, Julia Roberts e a banda Pearl Jam. Letterman, que estreou na CBS como líder do horário em 1993, perdeu o topo do pódio em 1996 para The Tonight Show, apresentado por Jay Leno na NBC.

Até o momento, a CBS marca média geral de 8,2 pontos e participação de 13% no horário nobre (nos EUA, das 20h às 23h). A ABC está em segundo lugar, com 6,9 e 11%, seguida pela NBC, com 6,4 e 10%. A Fox aparece em quarto: 6 e 10%. No fim da lista, The WB e UPN estão empatadas, com 2,1 pontos e 3%. Estas duas últimas tornaram-se uma só em setembro, sob o nome The CW. Como esta fusão deixará uma lacuna aberta em termos de emissoras sem rede, a Fox lançará uma segunda operação nacional, batizada de My Network TV, cuja estréia também será em setembro.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem