Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ENTRE ASPAS > MEDIOCRIDADE & REPRISES

Tristes tardes de domingo

Por Eduardo Alex Rodrigues em 23/02/2010 na edição 578

Que a TV é objeto de controvérsia, sabem todos os envolvidos de alguma maneira com ela em toda a sua dimensão. Ou, quase todos. Pelas evidências, um de seus principais ‘motores’, o telespectador, não tem a real percepção do alcance das sedutoras imagens que ultrapassam a linha divisora entre a tela do objeto e os recintos aonde chegam ‘vazando’ os olhos de quem as vê e terminando por aninhar-se em cérebros desavisados. Quais os impactos daquilo que a TV oferece às pessoas é matéria para estudos e pesquisas mais aprofundados. Opto por lançar uma crítica a partir de uma premissa leiga; um desabafo de um cidadão já sem ar perante tanta mediocridade pululando a cada milésimo de segundo na caixa eletrônica de caos chamada televisão.

Antes de prosseguir, devo registrar que não a culpo por todos os males. Vez ou outra pode emanar alguma esperança da tela. Nem estou aqui para advogar pelo famigerado controle social que desejam alguns ideólogos que se assustam ante a liberdade. Porém, não há como enxergar a televisão como simples entretenimento. Ela vai um pouco mais além e, na relação com a sociedade, pode contribuir decisivamente para a tomada de decisões, bem como ditar padrões comportamentais. No interior de uma massa com poder crítico quase nulo, isto pode ser deletério. Mas volto-me ao meu intento.

Supostas dicas musculosas

Numa dessas tardes de domingo, acessando a internet de meu PC instalado próximo da TV, torno-me telespectador involuntário da programação oferecida pelas chamadas redes abertas. Enquanto minha esposa sai navegando pelo limitado ‘lago’ de canais oferecidos, ia deparando com toda a sorte de esquisitices e bobagens da limitada – em todos os sentidos imagináveis possíveis – programação da TV brasileira.

Em um dos programas, da Rede Record – do qual não guardei o nome, mas pouco importa; em essência é a mesma previsível coisa –, era transmitida a indelével e infalível pegadinha. Uma moça de saia curta numa calçada solicitava a um transeunte ajuda para segurar a escada, enquanto ela subia para verificar algo. Enquanto o desavisado e solícito cidadão se via tentado a levantar os olhos e tirar algum proveito da surreal situação, o falso marido da moça aparecia da sacada do prédio e, ante a situação criada, arremessava ovos no bom samaritano com segundas intenções.

Pensei: quanta originalidade. Já tinha assistido aquilo antes. Bem antes, num dos programas apresentados por Silvio Santos no SBT, há quase vinte anos, num mesmo dia de domingo! Afora as reprises. Fingi relevar, afinal diz um ditado que ‘nada se cria, tudo se copia’, ou algo semelhante.

Não demora muito e minha esposa aporta no SBT. Um clone não vingado de Silvio Santos tocava um programa que outrora pertencia a Gugu Liberato. Em um atestado de que a televisão decai e o faz com especial denodo aos domingos, anunciava uma das celebridades ‘miojo’ – se me faço entender… – que surgem em dias de YouTube. Tratava-se de um jovem que se apresenta neste site dedicado a reproduzir vídeos de todo o mundo, dando supostas dicas de como ‘pegar’ mulher, de como se comportar na ‘balada’, de como malhar corretamente para obter os músculos que ele ostenta, dentre outras coisas mais.

‘Riqueza cultural’ e ‘criatividade’

O rapaz já é um velho conhecido daquele site e é acusado de aplicar substâncias diretamente na musculatura para lhe dar uma aparência vigorosa – algo que lhe rendeu a alcunha de Rodrigo ADE, uma referência à substância utilizada. No entanto, quem puder acessar algum dos vídeos do jovem, perceberá que, ao contrário de músculos vistosos, ele está transformando-se em uma massa humana disforme, com braços, peitos e ombros bizarros.

Como o importante é a audiência e o espetáculo, por mais grotesco que possa ser, o jovem foi recebido como celebridade pelo apresentador, responsável por gracejos com o convidado, que me pareceu sofrer de algum desequilíbrio. Tudo oferecido ao público como simples atração para as famílias numa tarde de domingo. Imaginei: um freak show, mas ainda assim entretenimento para a família.

Após a apresentação exótica do rapaz, mais uma vez o controle nos levava para a Rede Record. Estava montado no palco do programa o tal pole dance, onde uma mulher pode fazer diversos contorcionismos numa barra vertical de metal, exibindo-se sensualmente. O que antes era assistindo em cenários de boates eróticas dos filmes, atualmente tornou-se opção para estimular a relação entre os casais, logo depois de a atriz Flávia Alessandra encarnar uma personagem de novela que fazia strip tease para sobreviver. Naquele domingo, a apresentadora levava diversas praticantes do pole dance para exibir-se, dentre as quais uma dona de casa que se apresentaria em pleno palco para o marido – e também para a plateia e os telespectadores.

Nada contra beleza feminina e sensualidade. Menos ainda se trata de moralismo. No entanto, a insistência na exposição de corpos seminus em plena tarde de domingo parece evidenciar o quanto nossa TV é incapaz de dar um passo à frente no quesito originalidade – e principalmente qualidade.

Depois de tanta riqueza cultural, achei por bem sugerir à minha esposa desligar a TV e fazermos uma sesta. Afinal, diante da inédita demonstração de capacidade de entreter das emissoras, achei por bem não arriscar ver o Faustão, o Gugu ou mesmo o Fantástico. Temi pela falência de meu cérebro exposto a tamanha criatividade…

******

Servidor Público, Vila Velha, ES

Todos os comentários

  1. Comentou em 23/02/2010 Carlos N Mendes

    E você ainda tem esperança, Eduardo? Melhor não ter – de repente, a falta de audiência faz essa gente mudar de rumo – ou de ramo.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem