Segunda-feira, 15 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1045
Menu

TV EM QUESTãO >

TVE terá controle de qualidade

Por Maria Carolina Nomura, de Madri em 25/05/2004 na edição 278

A nova diretora geral da Rádio e Televisão Espanhola (RTVE), Carmem Caffarel, criará uma comissão de controle para determinar a qualidade dos programas e conteúdo televisivo emitidos pela Televisao Espanhola, principalmente, no que se refere a produtoras independentes. As informações são do diário El País, edições de 12/5 e 23/4/04.

Carmem Caffarel se diz comprometida principalmente com os jovens para que exista, na emissora, um jornalismo ‘independente e plural’ e afirma que a luta pela audiência não é sua prioridade – mesmo tendo em conta que a qualidade nem sempre é sinônimo de fiéis espectadores. Segundo ela, nem tudo vale para manter a audiência.

A TVE foi muito criticada por políticos europeus e pelos próprios espanhóis durante a cobertura da guerra do Iraque e dos atentados de 11 de março, em Madri.

No dia 22 de abril, o Parlamento Europeu aprovou um informe no qual ‘as pressões governamentais sobre o serviço público da Televisão Espanhola deram lugar à distorções e ocultações patentes sobre a responsabilidade dos execráveis atos terroristas de 11 de março’.

O parlamento da União Européia denunciou também as más práticas profissionais cometidas entre 28 de fevereiro e 5 de março sobre a intervenção no Iraque – que foram, segundo o órgão, tendenciosas e produziram uma informação desequilibrada e manipulada.

Os eurodeputados dizem que a Espanha necessita de uma autoridade independente de controle dos meios de comunicação que se encarregue de que a notícia da principal cadeia de televisão do país seja verdadeiramente imparcial e objetiva, isto é, verdadeiramente jornalística.

Resquícios de 11-M

Até poucos momentos antes das eleições gerais de 14 de março, o governo sustentava que autoria dos atentados era o ETA e não o al-Qaeda ou alguma organização islâmica, como confirmado posteriormente.

Nas últimas semanas, as manchetes dos jornais trazem a notícia de que o então ministro do Interior, Miguel Ángel Acebes, recebeu a informação da polícia especial de que os atentados foram cometidos por islâmicos e não pelo ETA horas depois do ocorrido.

Mesmo assim, o ministro e a equipe do Partido Popular, o mesmo do então presidente do governo José Maria Aznar, insistiam que a autoria dos atos terroristas não era de nenhum grupo ligado ao al-Qaeda – informação que, certamente, mudaria a opinião e, principalmente, o voto dos espanhóis.

Um dia antes das eleições, cerca de 5 mil pessoas se reuniram na Puerta del Sol, centro de Madri, para se manifestarem contra as mentiras do governo e da Televisão Espanhola, que não estava presente para cobrir a notícia.

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem