Segunda-feira, 21 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº987
Menu

TV EM QUESTãO > THE ECONOMIST

TVs do Ocidente vêm perdendo espaço

Por O Globo em 17/08/2010 na edição 603

Os canais de notícia ocidentais, como BBC e Deutsche Welle, vêm perdendo espaço nos países emergentes, afirmou a revista britânica The Economist.

No ano passado, o serviço global da BBC, que inclui TV e rádio, perdeu oito milhões de telespectadores e ouvintes. Isso se deve, segundo a revista, ao advento de novas tecnologias, como antenas parabólicas e internet banda larga, que baratearam a recepção e até mesmo a produção de notícias.

As emissoras ocidentais ganharam força na Guerra Fria, quando interesses geopolíticos justificavam os elevados investimentos. A situação mudou.

‘Em 2003 o serviço russo da Voz da América era difundido por 85 estações de rádio na Rússia; hoje, por apenas um. As difusoras em árabe da BBC no Norte do Sudão foram fechadas no último dia 9’.

Outro fator, diz a Economist, é a concorrência. Desde 2006, China, França, Irã, Japão e Qatar lançaram canais de notícias em inglês. A China investiu US$ 7 bilhões em notícias internacionais – 15 vezes o orçamento anual do serviço global da BBC, segundo a revista. Em julho, o país lançou seu segundo canal de notícias em inglês, o CNC World.

‘Os recém-chegados estão conquistando territórios (e até mesmo contratando o pessoal) abandonados pelas organizações ocidentais’, afirma a Economist.

Um exemplo é o rádio de ondas curtas. A BBC abandonou o serviço na América Latina, do Norte e parte da Europa, para o desespero de ouvintes leais. Já a China Radio International quase dobrou o número de estações.

Al-Jazeera chega a países de difícil acesso, como Zimbábue Se as ondas curtas atendem aos ouvintes de áreas rurais e menor poder aquisitivo, a grande batalha, diz a Economist, é pela população urbana, que consome notícias via satélite e internet.

Neste caso, afirma, o melhor exemplo é a rede Al-Jazeera, apoiada pelo Qatar. Ela domina o Oriente Médio, batendo fácil concorrentes como a Alhurra, bancada pelos EUA. A Al-Jazeera vem crescendo inclusive em países de difícil acesso ao Ocidente, como o Zimbábue. Até os militares americanos no Afeganistão preferem a Al-Jazeera.

Tony Burman, diretor do serviço em inglês da Al-Jazeera, criado há três anos, disse à Economist que os planos são abrir dez escritórios no ano que vem, chegando ao total de 80. Ele ressaltou que câmeras digitais permitem a uma sucursal, mesmo pequena, fazer muita coisa.

A África também registra forte expansão. Até 1990 o Quênia tinha apenas um canal de TV, estatal. Agora são 20 canais e 80 estações de rádio para concorrer com a BBC. ‘Depois de muito alardear a causa da liberdade, as grandes emissoras ocidentais têm agora de aprender a viver com as consequências disso’, conclui a Economist.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem