Sábado, 25 de Maio de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1038
Menu

VOZ DOS OUVIDORES >

Mais informação, menos interpretação

Por Margaret Sullivan em 28/01/2014 na edição 783

É uma segunda-feira de manhã em meados de janeiro. Você lê a edição impressa do New York Times enquanto toma o café. Folheia-a em busca de notícias, quase tudo em vão. Dos seis artigos com chamada de primeira página da edição de 13 de janeiro, só um pode ser descrito como notícia importante: uma matéria de Paris sobre os negociadores dando os últimos retoques num acordo para congelar o programa nuclear do Irã. Os outros cinco são: uma reconstrução do escândalo político conhecido como Bridgegate; uma matéria sobre a devolução de relíquias ao Museu Nacional do Afeganistão; um artigo sobre política nos estados de Minnesota e Wisconsin; uma matéria sobre os argumentos da Suprema Corte sobre o choque entre os direitos de liberdade de expressão e do aborto; e um texto sobre uma loja de penhores de luxo.

Tenho pensado nisso ultimamente, principalmente depois de ter ouvido o leitor David N. Schwartz, de Nova York, que usou como exemplo o jornal de 26 de novembro, uma terça-feira. “Não há uma única matéria importante na primeira página”, escreveu ele. “São todas análises e jornalismo interpretativo – muito bons, por sinal, mas não propriamente matérias importantes.” E acrescentou: “Compare com o Wall Street Journal, que na realidade não é um jornal tão bom – mas que tem notícias importantes na primeira página”.

Num recente comentário online, outro leitor escreveu: “Parece não existir mais notícias simples e concretas. Todos os textos se parecem mais com análises de informação; mesmo aqueles que têm por objetivo relatar ostensivamente eventos”.

Notícias de última hora

Ao preparar esta coluna, folheei as primeiras páginas das últimas semanas. (Mesmo nesta era digital, devo dizer que a primeira página impressa ainda é uma forte indicação dos valores jornalísticos dos editores.) Ocorreram, com certeza, dias semelhantes àqueles acima mencionados, onde as notícias importantes são difíceis de encontrar. Outros ofereceram uma aparência mais tradicional.

Muitas vezes, mesmo artigos publicados na parte de cima da primeira página que abordam temas oportunos e significativos – como o súbito aumento de inscrições na Medicaid – o fazem de forma indireta, com aberturas como: “Sharon Mills, uma enfermeira deficiente, dependia da gentileza das outras pessoas para controlar seu diabetes.” Nesse caso, a técnica funcionou; em outras ocasiões, fico pensando quando ou se um artigo consegue o que pretende e penso em E.B. White tornando a contar a crença de seu professor William Strunk: “Ele achava que o leitor enfrentava sérios problemas a maior parte do tempo, como um homem se debatendo num pântano, e que era um dever de qualquer pessoa que tentasse escrever em inglês esvaziar o pântano rapidamente e trazer o homem para terra seca, ou pelo menos jogar-lhe uma corda”.

De uma maneira geral, achei uma ênfase em jornalismo interpretativo e empresarial. Também achei muitos exemplos de artigos interessantes e bem escritos com pouco valor informativo.

Perguntei ao chefe de redação, Dean Baquet – que frequentemente dirige a reunião da tarde, quando são escolhidos os artigos com chamada de primeira página –, que me explicasse. “Não há dúvida de que há menos notícias tradicionais na primeira página do que costumava haver”, respondeu ele. Uma das principais razões, segundo Baquet, é que os leitores têm acesso constante às notícias de última hora. “Temos que nos perguntar o que será novidade, surpreendente e importante para as pessoas – o que só nós podemos oferecer. Portanto, nos pressionamos a pôr em perspectiva, ou dizer o que significa, ou divulgar a história dos bastidores.”

O foco da notícia

Para Baquet, a primeira página ideal incluiria três ou quatro “matérias fortes e importantes que só nós tenhamos, uma matéria investigativa e mais uns dois textos bons de se ler” – por exemplo, uma matéria de esporte e uma de cultura, ou um obituário particularmente irresistível.

Alguns leitores prefeririam uma abordagem mais simples. Outros acreditam que todas essas interpretações podem facilmente descambar em opiniões. Nas últimas semanas, os leitores queixaram-se do que consideraram opiniões em matérias jornalísticas sobre o Irã, a Ucrânia, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, e o governador Chris Christie, de Nova Jersey. “Eu leio tanto a notícia quanto a opinião, mas quando leio uma matéria jornalística, prefiro apenas a notícia”, disse David B. Harris, de Fanwood, Nova Jersey.

No entanto, no que parece uma contradição, outros leitores disseram que querem que as matérias jornalísticas estabeleçam nitidamente a verdade – e não que finjam um “falso equilíbrio”. Pode ser linha fina, mas há uma diferença entre afirmar uma verdade bem estabelecida – por exemplo, que a evolução aconteceu – e expressar uma opinião, independente de ser bem-informada. Essa é uma linha que não deveria ser cruzada numa matéria jornalística.

Em minha opinião, as matérias mais importantes expostas pelo Times às vezes vão longe demais na direção de interpretação, análise e redação rebuscada. O leitor razoável, que tem como apoio apenas o seu café, pode muito bem querer que o foco mais importante da notícia apareça no segundo parágrafo, e não no sétimo.

“Talvez fosse melhor se fôssemos mais simples”

O leitor (ao contrário do jornalista, que está ligado na mudança dos acontecimentos ao longo do dia) pode preferir mais a notícia original e menos a abordagem de um “segundo dia”. Em alguns casos, um artigo de uma notícia de última hora que já apareceu no site há muito tempo, muitas vezes atualizado, nem chega a entrar nas páginas do Times, deixado de lado pelo artigo mais interpretativo que irá sair na edição impressa do dia seguinte, mas com a informação pouco nítida.

Dean Baquet diz que o foco principal do Times é o de dar aos leitores aquilo que faz deles cidadãos informados. Mas ele não discorda que a interpretação pode ir longe demais. “Às vezes, pensamos demais e talvez fosse melhor se fôssemos mais simples.”

***

Um esclarecimento. Em minha coluna de 12 de janeiro, eu disse que a primeira mulher num cargo de direção do Times foi Carolyn Lee, em 1990. Embora seja verdade que ela tenha sido a primeira jornalista a chegar lá, Charlotte Curtis, editora de opinião, a antecedeu em 1974. (O obituário de Charlotte Curtis é uma leitura fascinante e poderia ser candidata à primeira página de Dean Baquet.)

  • comentários
  • Todos os comentários

    x

    Indique a um amigo

    Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

    O Campos com * são obrigatórios.

    Seus dados

    Dados do amigo (1)

    Dados do amigo (2)

    Mensagem