Suzana Singer | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

VOZ DOS OUVIDORES > ‘FOLHA DE S. PAULO’

Suzana Singer

18/03/2014 na edição 790
“As aspas de Lula”, copyright Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/3/14

Aquele dito de que "um erro leva a outro" resume bem o que aconteceu com a entrevista do ex-presidente Lula na semana que passou.

ERRO 1: O jornal italiano "La Repubblica" transcreveu incorretamente a fala de Lula sobre inflação e emprego. Ele disse: "Não quero que tenha desemprego para melhorar a inflação. Eu quero melhorar a inflação com pleno emprego".

A tradutora verteu para o italiano o que corresponde a: "Não quero que tenha desemprego com inflação mais baixa. Quero os dois quase juntos, emprego sem inflação".

O "La Repubblica" publicou: "Para nós, a defesa do emprego é mais importante que a inflação".

ERRO 2: A Folha reproduziu o que estava no jornal italiano, com chamada na Primeira Página (10/3). Era mesmo notícia, afinal o PT nunca admite reduzir a importância do combate à inflação. Se non è vero, è ben trovato…

No mesmo dia, o Instituto Lula divulgou um trecho do áudio da entrevista, provando que a frase do ex-presidente era outra.

ERRO 3: A Folha publicou a correção, mas com um título ambíguo ("Lula nega frase sobre emprego e inflação", 11/3). Como havia o áudio, o correto seria "Lula não disse que inflação é menos importante". Faltou também uma menção na capa do jornal, já que a frase adulterada estava na Primeira Página.

ERRO 4: O jornal comeu bola ao deixar passar a resposta de Lula sobre o ativista italiano Cesare Battisti, que, condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos na Itália, fugiu para o Brasil. O ex-presidente disse ao "La Repubblica" que "simplesmente respeitou a decisão da Justiça brasileira".

A Folha deveria ter mostrado que Lula não falou toda a verdade. O Supremo Tribunal Federal negou refúgio a Battisti, mas deu a palavra final ao presidente. Lula, em seu último dia de mandato, não acatou a decisão do STF e impediu a extradição do ativista.

ERRO 5: Lula e sua sucessora no Palácio do Planalto concedem poucas entrevistas e, quando decidem enfrentar as perguntas de um jornalista, dão preferência aos estrangeiros ou à imprensa regional.

Foi a uma televisão francesa que Lula falou pela primeira vez sobre o mensalão, em 2005. Agora, no "La Repubblica", conseguiu emplacar um belo título: "Quanto à Copa, nada está atrasado, e o meu Brasil deslumbrará vocês".

À Folha Dilma concedeu apenas uma entrevista exclusiva desde que assumiu a Presidência. Ao jornal espanhol "El País", foram duas.

A presidente fala muito durante viagens e eventos, mas no que se chama de "quebra-queixo": um monte de repórteres se empurrando, com microfones em punho, tentando se fazer ouvir.

Nessa situação, o entrevistado consegue pinçar as perguntas que lhe interessam e, quando se cansa, vira as costas e vai embora.

Seria ótimo se importássemos a tradição norte-americana de entrevistas frequentes dos presidentes. Na terça-feira passada, Obama deu prova de seu senso de humor ao participar de uma entrevista encenada no programa de um comediante (http://goo.gl/57T4c4). O objetivo era passar um recado aos jovens (façam seguro de saúde).

Submeter-se mais ao escrutínio da imprensa significa ganhar espaço para defender pontos de vista. O que deveria evitar erros em série.

Tão longe, tão perto

Nas edições de São Paulo, a Folha publicou, até anteontem, apenas cinco parágrafos sobre a terrível cheia que isola várias áreas na região amazônica. Para a crise na Ucrânia, nos mesmos 15 dias, o jornal dedicou 13 páginas. Quem decidiu que paulistano não se interessa pelo que acontece no Norte?

******

Suzana Singer é ombudsman daFolha de S. Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem