Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

VOZ DOS OUVIDORES > ‘FOLHA DE S. PAULO’

Vera Guimarães Martins

18/11/2014 na edição 825
“Razão e insensibilidade”, copyright Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/11/2014

Foram muitas dezenas de mensagens, a maioria movidas pelo mesmo espírito: espanto com o fato, indignação com a forma e revolta com o descaso. A demissão de Fernando Rodrigues e Eliane Cantanhêde foi uma operação desastrosa, não só pela perda que impôs aos leitores, mas principalmente pela falta de sensibilidade na condução do processo. O jornal ignorou aquele a quem serve – o leitor.

Os dois colunistas foram demitidos na sexta (7), no desfecho de um corte que ceifou 14 jornalistas e 17 vagas. Na linguagem empresarial, foi um ajuste para adequar os custos inflados por Copa e eleições, os mesmos fatores que, aliados à economia minguante, provocaram queda da receita. No jargão irreverente das Redações, esses cortes, que se tornaram periódicos, são chamados de “passaralho” – porque passam como aves de arribação e provocam revoada em bando.

A lógica que levou à dispensa de dois nomes de primeira grandeza é simples, crua: após sucessivos enxugamentos, as Redações não têm mais gordura para cortar, e a mira se volta para os maiores salários, dos quadros com cargos superiores e/ou maior tempo de casa. Na frieza da planilha, a dispensa de um profissional antigo pode poupar meia dúzia (ou mais) de vagas.

Fernando estava na empresa havia 27 anos; Eliane, havia 17. Numa equipe com mais de 120 colunistas em permanente mutação, eram grifes enraizadas, que formavam o “core” do colunismo da casa. Nomes profundamente identificados com a cara do jornal e com seu leitorado, numa relação de mão dupla que não foi plenamente compreendida nem devidamente tratada.

“Devemos estar todos de acordo que o jornal tem liberdade para dispensar qualquer colaborador. Entretanto, como um organismo que mantém estreito relacionamento com o público, o qual acaba lhe ficando fiel nem tanto por ele próprio, mas por seus porta-vozes, o desligamento deles sem satisfação é como a perda de um amigo, da qual só se fica sabendo através de terceiros. Isso termina sendo um choque”, descreveu o advogado Eliseu Rosendo Nuñez Viciana, de São Paulo.

“O pior é que o jornal não se dignou a explicar as razões a seus assinantes/pagantes. Essa atitude olímpica só serviu para aumentar a desconfiança”, ecoou José Luiz Pereira da Silva, de Mogi Mirim.

Ironicamente, a Folha não se lembrou do “Outro Lado”. Os leitores souberam da saída na própria sexta, por redes sociais e sites (alguns destes mais preocupados em deformar do que informar). O jornal só se manifestou no domingo, mas a reportagem não mencionava razões. Mais uma vez, abdicou de explicar com clareza uma decisão motivada por contingência ruim.

Mau negócio para a imagem institucional. Jornais & jornalistas sabem que não há história contada pela metade: a parte que falta será preenchida por versões de toda sorte. Nesse caso, fomentaram-se até teorias de que as saídas teriam ocorrido por pressão do Planalto. É nonsense gerado pela polarização eleitoral recente. O jornal continua com uma penca de colunistas extremamente críticos ao governo.

Mas é nonsense que o jornal ajuda a alimentar com uma dieta restritiva de informação, visível na resposta da Secretaria de Redação, enviada à ombudsman: “A Folha procura renovar de tempos em tempos parte de seu elenco de colunistas. Às vezes faz isso premida pela conjuntura econômica, outras por decisão editorial. Para dar exemplos recentes, Tati Bernardi entrou no lugar de Barbara Gancia, e Antonio Prata, no de Danuza Leão”.

Por ela, Eliseu vai continuar sem saber por que perdeu seu amigo.

Implicação indevida

“Cotidiano” avançou o sinal e atropelou o prefeito Fernando Haddad no domingo passado (9).

Ao dar capa para uma reportagem sobre Roberto de Faria Torres, servidor investigado por corrupção pelo Ministério Público, cravou na linha sob o título: “Engenheiro da gestão Haddad tem salário de R$ 4.000 e 9 carros de luxo”.

Torres, flagrado em vídeo pedindo dinheiro para livrar um comerciante da CPI dos Alvarás, é servidor concursado desde 2006. Não foi nomeado para nenhum posto nesta gestão nem nas anteriores -engenheiro é profissão, não cargo. O texto não apresenta o menor indício ou suspeita de qualquer ligação de Haddad com o caso.

A prefeitura e muitos leitores reagiram, contestando a conexão indevida em mensagens ao “Painel do Leitor”. A Redação deu um primor de resposta: “O engenheiro […] é funcionário da Prefeitura de São Paulo, administrada por Fernando Haddad”.

“[Há] essa prepotência das editorias de que sempre estão certas, mesmo com erros de fato”, escreveu o leitor Dirceu Furquim. “O tal do ‘Erramos’ é para consertar horário de cinema, dizer o nome correto que saiu errado. Não há uma reflexão séria do conteúdo do jornal, dos exageros, nada.”

Furquim acertou no adjetivo e no diagnóstico. Não há política para corrigir essas leviandades que ferem a credibilidade do jornal.

******

Vera Guimarães Martins é ombudsman daFolha de S. Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem