Sexta-feira, 18 de Outubro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1059
Menu

VOZ DOS OUVIDORES >

Vera Guimarães Martins

03/02/2015 na edição 836

O que vem a ser um “liberal”, assim, ilhado por aspas?

Nem os que se sentiram ofendidos pelo uso do sinal gráfico sabiam com certeza, mas reagiram com a intensidade e a convicção de que boa coisa não devia ser. Foram 115 mensagens à ombudsman (60 delas com conteúdo idêntico), em protesto contra o que qualificaram de deboche e falta de isenção jornalística.

O alvo da ira foi a reportagem “Jovens ‘liberais’ dão aula pública sobre transporte”, que relatava um evento promovido pelo Movimento Brasil Livre, no vão do Masp.

Reza a norma que aspas devem ser usadas para abrir e fechar citações, destacar uma palavra fora de seu contexto usual ou exprimir ironia. Citação não era, e o MBL é um grupo que prega o liberalismo econômico e a redução do tamanho do Estado –mais dentro do contexto, impossível. Sobrou a ironia.

“Ao usar o termo entre aspas, o repórter manifestou condescendência e falta de respeito com aqueles que são reconhecidos como proponentes de ideias liberais”, escreveu o consultor de empresas Ricardo Castro, 44. “O que os editores pensariam a respeito de manchetes como: ‘Encontro mundial reúne jovens ‘católicos’” ou “Folha recebe prêmio por jornalismo ‘investigativo’”?

Para corroborar o viés depreciativo, a reportagem descreveu o MBL como um movimento de “jovens de classe média que se dizem liberais”. Se dizem? “Imagino que o repórter acredite que, em algum outro lugar, haja verdadeiros liberais e que aqueles eram impostores”, concluiu o mesmo leitor.

Os simpatizantes do MBL ficaram particularmente incomodados com o destaque dado a um dos organizadores e palestrante, o estudante de economia Kim Kataguiri, 18. Avaliaram que o foco em sua juventude era uma forma de ridicularizar o evento –e aqui discordo muito.

Salientar a precocidade de um militante ainda adolescente, que expõe teorias econômicas ou cita filósofos modernos, é dar o destaque correto a um personagem incomum. Basta lembrar a projeção mundial conferida a Joshua Wong, 18, líder do movimento Scholarism e figura de frente na onda das manifestações pró-democracia em Hong Kong.

O problema, noves fora as aspas indevidas, é que a matéria focou Kim, e ali ficou, descurando de dados que completariam o cenário, como os outros palestrantes ou o nome da banda “de terno e gravata borboleta, cantando em inglês”.

A editoria “Cotidiano” afirma que não houve intenção de desqualificar o evento, mas reconhece o erro. “A Folha se propõe a exercer um jornalismo crítico em relação a todos os partidos políticos, grupos, acontecimentos e tendências ideológicas. Esse princípio orienta a cobertura das manifestações sobre a questão do transporte em São Paulo –sejam promovidas pelo Movimento Passe Livre, o Movimento Brasil Livre ou outras organizações. No entanto, o uso de recursos de estilo inadequados, como as aspas em liberais e aula pública, deram margem à interpretação de que houve deboche em relação ao grupo. Não é essa a posição do jornal.”

Vale mencionar que os liberais também repisaram um argumento defendido por parte do leitorado, o de que a Folha não é imparcial nas coberturas de fatos ou manifestações identificados com a direita do espectro político. Não têm toda a razão, mas não estão de todo errados.

A defesa da imparcialidade é norma do jornal, mas os deslizes são mais frequentes do que deveriam. Algumas reportagens passam a impressão de que a Redação se concede uma espécie de “licença para zoar” quando o personagem da notícia é branco, rico e conservador.

É reflexo de uma visão baseada em falta de empatia, afinidade ideológica com o ideário da esquerda e também em comodidade: gozar quem está no topo da pirâmide social não desafia o politicamente correto, e a cobrança costuma ser menor. Ou costumava.

No caso em questão, além das mensagens ao jornal, alguns militantes mais inflamados partiram para a pressão direta, postando insultos e ameaças no perfil do repórter em uma das redes sociais.

Pressionar o jornal é regra do jogo democrático. Ameaçar a integridade do profissional é coisa de fascista, não de liberal.

******

Vera Guimarães Martinsé ombudsman daFolha de S. Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem