Terça-feira, 22 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº955

VOZ DOS OUVIDORES > O POVO

Paulo Rogério

31/10/2011 na edição 666
“Equilíbrio e informação”, copyright O Povo, Fortaleza (CE), 29/10/11.

“‘Para um jornalista, abandonar o compromisso com a verdade não é um deslize, é uma falha ética e grave…’ Rogério Christofoletti, professor e jornalista

O jornal abriu a cobertura das denúncias de irregularidades no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) envolvendo o Colégio Christus apelando para o bom senso. Em Editorial no dia 27 de outubro, O POVO defendeu a apuração dos fatos e punição dos responsáveis. Ressaltou a necessidade da cautela e o cuidado em não ‘atirar na lama a história de uma instituição’. Uma referência aos 60 anos da escola. Em um longo e-mail leitor Pedro Albuquerque viu no texto a defesa antecipada da escola. ‘O jornal já isenta o Colégio Christus sem que tenha havido qualquer investigação’. Ele critica ainda a omissão do nome do colégio em matéria do O POVO Online do dia 26. Cerca de 80 comentários foram postados no Portal, no espaço reservado ao Editorial. Alguns com acusação semelhante, outros parabenizando serenidade. A maioria, no entanto, esqueceu o bom senso e tomou partido.

Antes de tudo é preciso separar a cobertura do jornal impresso com a do jornalismo digital, infinitamente mais ágil, com atualizações constantes. No impresso, o que você lê hoje são notícias apuradas até o fim da noite anterior. Não há como comparar uma linguagem com a outra. Pois bem. Na quarta-feira as irregularidades não passavam de um boato em uma rede social. O jornal agiu correto ao omitir o nome do colégio e explicar o procedimento ao leitor. Na edição seguinte, dia 27, com a confirmação das denúncias todos os envolvidos foram revelados. A chefia de Redação descarta parcialidade. ‘O editorial defendeu que é preciso evitar o pré-julgamento’. Também não vi tal postura. O que se prega é o equilíbrio.

DNA O Povo

Se foi bem no início da cobertura, o mesmo não aconteceu no dia seguinte. Com a concretização das irregularidades, o tema ganhou a manchete – ‘MEC anula provas de 639 alunos em Fortaleza’. As páginas internas fizeram o básico. A cidade fervilhou em torno do assunto. O jornal, no entanto, virou uma ilha. Faltou interagir com os leitores que postaram dezenas de comentários. Nem mesmo a repercussão do fato nas redes sociais – onde surgiu denúncia – sensibilizou editores. Acabou sem reproduzir os casos de xenofobia contra nordestinos que invadiram a rede.

As matérias não mostraram a indignação – marca do O POVO – diante de tantas perguntas sem respostas. Ora, quem copiou as questões? Onde mais houve pré-testes? Quem fiscalizou provas? Quais as penalidades previstas? Ambos os casos bem explorados pela concorrência.

Manchete questionada

Na sexta-feira o jornal estampou a manchete ‘Enem em xeque – MEC admite falha no pré-teste’. O leitor João Carlos Cardoso apontou erro no enfoque. ‘A manchete induz o leitor a acreditar que o MEC admite ser seu o erro. O próprio ministro declarou que se trata de cópia feita por professores’. A matéria relata que o MEC admite inclusão das questões no pré-teste realizado em outubro no Christus. As acusações do ministro até constavam na edição e mereciam maior visibilidade que a secundária publicada em Radar.

A chefia de Redação concorda, mas diz que a informação chegou tarde. ‘Não fosse isso, receberia mais destaque e também alguns questionamentos’. Mas não vê equívoco. ‘A manchete não diz que o MEC admite culpa. Diz que admite falha – são coisas bem diferentes’. A falha seria exatamente a cópia feita por alguém, sujeito ainda indefinido.

Há de se considerar opiniões divergentes com relação ao Enem e a imprensa precisa mostrar essa pluralidade. O jornal está certo em colocar em xeque a questão e incentivar o debate. E isso requer o maior número de detalhes possíveis. Detalhes que o mesmo comunicado do MEC utilizado como fonte da matéria – http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17187 – denunciou que funcionários da escola envolvida, ao distribuírem apostilas, pediram para não compartilhar a mesma com candidatos de outras escolas. Nada foi dado pelo jornal. Realmente é preciso bom senso.

Esquecido pela mídia: Quando será inaugurado o Cinturão Digital no Ceará?

FOMOS BEM

MOBILIDADE

Série ‘Olho no asfalto’ ao diagnosticar antigos problemas de acessibilidade em Fortaleza

FOMOS MAL

QUEDA

Jornal deu cobertura superficial para saída de Orlando Silva e suas consequências.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem