Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Suzana Singer

18/10/2011 na edição 664
“Parece, mas não é”, copyright Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 16/10/11.

“‘Informes publicitários’ que cobrem a Primeira Página e simulam ser a capa irritam os leitores

Desde que o ex-presidente José Sarney deixou de ser colunista, só um ponto consegue a proeza de irritar leitores de ‘esquerda’, de ‘direita’, corintianos, palmeirenses, jovens e mais velhos: os anúncios que cobrem a Primeira Página.

Na última semana, os publicitários estavam especialmente criativos. A capa de domingo passado imitava os tipos gráficos da Folha, os fundos coloridos, e dizia em manchete que o ‘Pão de Açúcar era parte de um gigante’. Abaixo, uma série de notícias inventadas, com direito até a previsão do tempo. O objetivo era chamar a atenção para uma nova campanha de uísque.

No dia seguinte, outra primeira página falsa, só de boas notícias. Essas não foram criadas em uma agência, foram pinçadas do noticiário real para avisar que empresas de telefonia também tinham uma ‘ótima’ novidade para o leitor.

‘Nunca gostei de anúncio em cima da capa, mas esses últimos me incomodaram demais, porque se travestiram de reais. O formato era traiçoeiro’, reclamou o radialista Rodolfo Mieskalo, 29.

Outros leitores se queixaram de ‘dois dias seguidos de propaganda nonsense’ e de ‘o jornal vender um espaço sagrado como a sua capa’. Anúncios que cobrem a Primeira Página, em parte ou totalmente, deveriam ser excepcionais, mas são cada vez mais comuns. Neste ano, foram 88 -um a cada três dias.

Em geral, são propagandas de supermercado, carro ou banco, facilmente identificáveis, que irritam por atrapalhar o manuseio do exemplar. Só que esses últimos foram além e tentaram enganar o leitor, o que não deveria ser permitido. ‘O jornal não aceita anúncios que imitam os tipos gráficos da Folha. Além disso, há sempre, com destaque, o aviso de que se trata de informe publicitário’, diz a Secretaria de Redação.

O anunciante não poderia também saber de antemão o que será publicado, como aconteceu na segunda-feira. O ‘informe’ selecionou notícias e fotos da Redação para justificar o título: ‘Uma capa de jornal só com notícia boa. Você queria, a gente fez primeiro.’ Foi intromissão indevida na área editorial.

A Secretaria de Redação explica que o departamento comercial teve ‘acesso restrito e supervisionado ao índice de notícias do jornal’.

Outro ponto que deixou alguns leitores mais indignados foi o fato de o anúncio de domingo ser de bebida alcoólica. ‘Qual a credibilidade de um jornal que vende a manchete principal para campanha de uísque?’, criticou Luciana Sendyk, 47, redatora publicitária.

Em editoriais, a Folha apoia limites à publicidade do álcool. ‘O jornal defende restrições de acordo com o que estabelece a Constituição, que cita rádio e TV aberta. Esses meios são objeto de concessão pública e atingem um público universal, sem distinguir crianças de adultos. Por essa dupla razão, justificam regulamentação legal mais estreita da propaganda de produtos nocivos à saúde’, justifica a Secretaria de Redação.

A verba publicitária é fundamental em qualquer jornal -na Folha, representa cerca de metade da receita geral da empresa. Sem ela, o jornal custaria mais caro e seria lido por menos gente. Mas é imprescindível impor limites ao comercial, principalmente, quando se trata de cobrir a vitrine do jornal.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem