Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

NETBANCA >

Carlos Eduardo Lins da Silva

11/11/2008 na edição 511

‘Numa parede à entrada da sala de reuniões do nono andar do prédio da Folha está discretamente pendurada há pelo menos 25 anos uma natureza-morta: um cacho de bananas, envolto em páginas deste jornal.

O quadro pode ter cumprido, neste quarto de século, saudável função pedagógica: induzir os jornalistas mais graduados da Redação a certa dose de humildade por confrontá-los com o destino reservado ao produto que fazem.

Um pouco à maneira como filósofos existencialistas idealizavam fazer ao sugerir que todas as pessoas andassem sempre com um cartaz pendurado, para ser visto por todas as demais, com as palavras: ‘você vai morrer’.

Esta semana poderia levar os dirigentes da Folha a considerar a possibilidade de transferir a pintura de sua modesta posição atual -compatível com seu nível de qualidade artística- para lugar central no quarto andar, a Redação, de modo que todos os jornalistas a pudessem ver e pensar.

É antigo o axioma ‘jornal velho só serve para embrulhar peixe’. Mas era empregado em referência ao jornal da véspera. Ao do dia, em princípio, dava-se o status de algo mais útil.

Mas notícia velha, não importa se publicada hoje ou ontem, só serve mesmo para embrulhar peixe. Ou bananas.

O leitor da Folha teve todo direito de perguntar se fez bem ao gastar R$ 2,50 na segunda-feira para ‘ficar sabendo’ que Felipe Massa ganhou o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, mas perdeu o título mundial de pilotos. Ou na terça, quando pegou o seu jornal e ‘descobriu’ que os bancos Itaú e Unibanco haviam se fundido.

Esses fatos eram do conhecimento de praticamente todos os brasileiros minimamente interessados por informação muitas horas antes de a Folha chegar às bancas ou à casa de seus assinantes. Rádio, TV, internet já os haviam martelado por horas e horas.

Qual o sentido, então, de as manchetes os repetirem sem tirar nem pôr? Registro histórico, dirão alguns.

Se o jornal impresso precisa mesmo reafirmar o sabido para que daqui a décadas os historiadores o compilem ordenadamente, tenho certeza de que a competente editoria de Arte do jornal será capaz de criar uma seção atraente, mas pequena, até mesmo na primeira página, em que os assuntos principais da véspera fiquem registrados.

Mas que os destaques sejam para algo que o leitor ainda não sabe, algo que o surpreenda, o estimule a ler, lhe dê vontade de encarar o jornal, faça com que ele sinta ter feito um bom negócio ao comprá-lo.

Pior do que repetir o que todo mundo já sabia na véspera é reproduzir oito dias depois o já publicado em outro diário. É o que a Folha faz ao editar suplemento semanal com matérias do ‘New York Times’.

O ‘Times’ é um dos melhores e mais influentes jornais do mundo. É ótimo oferecer ao leitor brasileiro acesso ao que lá se escreve.

Mas precisa ser com tanto atraso? Na estréia do caderno saíram até artigos já dados aqui no Brasil por concorrentes deste jornal. E que ele próprio poderia ter oferecido ao leitor antes, já que tem direito de reproduzi-los.

Além de velho, o material do ‘Times’ apareceu em edição canhestra, comparada com a original: fotos pequenas e mal cortadas, diagramação espremida. Não sei que vantagem o leitor leva com esse suplemento.

Para completar o capítulo da obsolescência da informação do jornal nesta semana, ainda houve a eleição americana. Ali, sim, o jornal impresso poderia trazer algo desconhecido dos brasileiros, que dormiam enquanto os votos eram apurados nos EUA. Mas a maioria dos leitores acordou com a Folha como fora para a cama: desinformada.

Apenas 52 mil das 330 mil cópias saíram com a novidade de que Obama havia sido eleito (33% dos exemplares da cidade de São Paulo).

O jornal preferiu não esperar para não chegar atrasado. Não sei quantos leitores gostaram dessa decisão. Assim como não consigo entender até hoje por que as novas tecnologias de produção de jornal impresso, em vez de permitir que o processo de fechamento da edição seja mais longo, o tenham encurtado em relação ao que era no passado.

Reparto a frustração dos que me escreveram para reclamar de não terem visto no seu jornal a notícia da vitória de Obama: eu não estava entre os 52 mil premiados com a edição das 2h23.

O jornal impresso tem desafios fundamentais à frente se quiser sobreviver. Ou ele se reinventa ou se torna irrelevante.

Se resolver continuar repetindo o que os outros meios informam mais rapidamente e com mais vibração, haja peixe e banana para embrulhar.’

***

‘Para ler’, copyright Folha de S. Paulo, 9/11/08.

‘‘O Reino e o Poder’, de Gay Talese, Tradução de Pedro Maia Soares, Companhia das Letras, 2000 (a partir de R$ 56,05) Magnífica história do jornal ‘The New York Times’ de 1896 a 1992, quando era o mais influente meio de comunicação do mundo

‘Os Elementos do Jornalismo’, de Bill Kovach e Tom Rosentiel, tradução de Wladir Dupont, Geração Editorial, 2003 (a partir de R$ 39,00) Importantes conclusões de um grupo de 25 jornalistas que se reuniram a partir de 1997 para debater os dilemas do jornalismo impresso para o século 21

Para ver

‘O Jornal’, de Ron Howard, com Michael Keaton e Glenn Close, 1994 (a partir de R$ 19,90) Boa história sobre jornalista em dúvida entre trabalhar num diário como o ‘New York Times’ ou num jornal sensacionalista

‘Tanga Deu no New York Times’, de Henfil, como Chico Anysio e Ricardo Blat, 1987 (apenas para locação em VHS, por R$ 19,50 por três dias na 2001 Vídeo ou em videotecas) Curioso filme de Henfil, em que o ditador de uma pequena ilha do Caribe só sabe do que se passa no mundo pelo único exemplar do ‘Times’ que chega a seu país

Onde a Folha foi bem…

Eleição americana

No cômputo geral, apesar de alguns erros, cobertura da eleição nos EUA foi bem feita por uma equipe de jornalistas nos locais de ação e bem editada em cadernos especiais e na editoria Mundo

Bancos vs. governo

Jornal vai bem na cobertura dos bastidores e da cena aberta na queda de braço entre governo e bancos sobre disponibilidade crédito

Idoso na rede

Reportagem de capa do caderno Informática relata bem o uso da internet por pessoas idosas e oferece bom serviço aos usuários

…e onde foi mal

Pedágios

Embora sem erros factuais, reportagem sobre pedágios em São Paulo no dia 2 deixou de registrar argumentos e interpretações do governo sobre o que define um posto de pedágio e como calcular o aumento do custo; leitor sairia ganhando se tivesse tido pleno conhecimento dos dois lados

Assuntos mais comentados da semana

1. Eleição americana

2. Greve da polícia civil

3. Crise econômica’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem