Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1041
Menu

VOZ DOS OUVIDORES >

Carlos Eduardo Lins da Silva

23/02/2009 na edição 526

‘O CASO PAULA Oliveira, brasileira residente na Suíça que confessou ter se automutilado após denunciar suposto ataque contra ela por neonazistas, foi um naufrágio coletivo da mídia nacional.

Ninguém escapou da débâcle. Nem este ombudsman nem a maioria dos seus leitores. Eu não apontei erros na minha crítica diária do material do dia 12, quando o caso estourou.

Muitos leitores engrossaram o caldo das denúncias contra a xenofobia europeia com base nas falsas acusações. Alguns chegaram a condenar o jornal por ‘condescendência’ com a polícia suíça quando a versão de Paula Oliveira já claramente fazia água.

Eu reconheço meu erro. Acredito que este seja o primeiro e indispensável passo para quem quer seriamente corrigir-se e melhorar.

Ele e o dos editores que avaliaram as primeiras notícias são sintoma de seriíssimo mal congênito do jornalismo, que vem piorando em proporções assustadoras com a impressionante escalada da internet no mundo.

O maremoto de informações que afoga o público e a competição insana entre veículos de comunicação em diversas plataformas para largar na frente dos demais multiplicou exponencialmente a sempre presente aflição dos jornalistas de apurar e chegar a conclusões rápidas e pretensamente definitivas sobre os assuntos.

A qualidade do trabalho jornalístico depende de uma mistura fina de velocidade, desconfiança, prudência, intuição, cultura, malícia. Cada vez mais só o primeiro item dessa fórmula é levado em conta.

Some-se a isso a necessidade de emitir julgamentos bombásticos e se tem a receita para o desastre total, como quando a Folha publicou em junho de 2007 na sua capa artigo de um leigo no assunto que fazia condenações peremptórias sobre a responsabilidade pelo acidente da TAM em Congonhas.

Antes de ter um jornalista próprio em Zurique, de ouvir o outro lado (no caso a polícia local), de checar com médicos e peritos se aqueles ferimentos podiam ser causados numa situação como a descrita, este jornal comprou o relato em segunda mão (via seu pai) de uma completa desconhecida como se fosse irrefutável e permitiu que comentaristas derivassem dele conclusões duras sobre as autoridades, a cultura e o povo de outro país.

O fato de a vítima real desse episódio não ser uma pessoa, mas uma nação, torna suas consequências menos dramáticas sob o aspecto da injustiça cometida. Mas se não se tomarem medidas drásticas para mudar esse padrão de comportamento, tragédias como a da Escola Base vão se repetir.

Era possível ter desconfiado da história desde o início. Tanto que uma leitora, Sylvia Moretzsohn, escreveu ao ombudsman na própria quinta para dizer que estranhava a simetria do desenho das iniciais do partido de direita suíço cujos militantes pareciam suspeitos do alegado crime.

Ainda não vi neste jornal o que alguns leitores pediram: um mea-culpa pela precipitação com que agiu, embora não tenham faltado em suas páginas censuras à falta de precaução de autoridades brasileiras, igualmente recriminável, por terem se atirado na aventura de reprovar um país amigo por crimes, afinal, ao menos neste evento, não cometidos.

Humildade para admitir falhas e disposição para dialogar sobre elas são imprescindíveis para o aprimoramento de pessoas e instituições.’

***

‘Duas opiniões que mobilizam muitos leitores’, copyright Folha de S. Paulo, 22/2/09.

‘Já me referi aqui ao escopo do trabalho do ombudsman, que não abarca as opiniões publicadas pelo jornal, em editoriais, colunas ou artigos.

O ombudsman se atém aos aspectos técnicos, factuais, comprováveis, verificáveis. Opinião é como religião, time de futebol, convicção ideológica: cada um tem a sua e nenhuma é melhor que outra.

Mas, talvez porque, como ensinava Spencer, a opinião é determinada em última análise pelos sentimentos, não pelo intelecto, ela mobiliza manifestação de muitos leitores.

Esta semana, duas motivaram pelo menos 115 mensagens. Sem entrar no seu mérito opinativo, vou tratar de ambas.

Um post de blog do Folha Online trazia no título as palavras vadias e vagabundas acima de foto em que apareciam Marta Suplicy e Dilma Rousseff. Pareceu-me uma insinuação de mau gosto e insultuosa.

Um editorial com referência ao regime militar brasileiro provocou cartas publicadas no ‘Painel do Leitor’. Resposta da Redação a duas delas na sexta foge do padrão de cordialidade que julgo essencial o jornal manter com seus leitores.’

***

‘Para ler’, copyright Folha de S. Paulo, 22/2/09

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA

1. Editorial sobre ditadura

2. Blog Nos Bastidores do Poder

3. Brasileira na Suíça

Para ler

‘Reparação’, de Ian McEwan, tradução de Paulo Henriques Britto, Companhia das Letras, 2001 (a partir de R$ 41,30) Um dos melhores livros do fim do século 20 mostra as consequências trágicas de julgamento apressado a partir de denúncia equivocada mas verossímil

Para ver

‘Passagem para a Índia’, de David Lean, com Judy Davis e Peggy Ashcroft, 1984 (Telecine Cult, às 19h05, em 25/3, e às 15h10, em 27/3, ou R$ 19,90) Neste belíssimo filme, alucinação de jovem mulher cai em ambiente fértil em preconceitos e só não resulta em tragédia porque ela se retrata

Onde a Folha foi bem…

Ranking de juros

Decisão de publicar ranking de juros cobrados por bancos é serviço de utilidade pública

Ópera no cinema

Material sobre estreia do ciclo de óperas mostradas em cinema na terça é bem feita e ajuda a reavivar interesse por este tipo de arte

…e onde foi mal

Sem provas

Jornal destaca em títulos na sexta que PSOL acusou governo gaúcho ‘sem provas’; no passado, muitas acusações sem provas foram noticiadas com destaque sem essa ressalva nos títulos

Mesa da Câmara

Na segunda, jornal informa que outros novos membros da Mesa da Câmara são alvo de processos; por que o alerta não foi feito antes da eleição para alertar a opinião pública?

Airbag

Notícia na quinta sobre aprovação pela Câmara de obrigatoriedade de airbag em automóveis surpreende o leito, que não foi alertado da iminência da decisão sobre o assunto

Última instância

Tem sido pequena e fraca a repercussão da decisão do STF de permitir que condenados em segunda instância aguardem em liberdade julgamento de recursos até o final

Pró-Memória

Como e de que vivem?

Valdomiro Diniz

Delúbio Soares

Sílvio Pereira’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem