Domingo, 17 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1063
Menu

VOZ DOS OUVIDORES >

Carlos Eduardo Lins da Silva

01/09/2009 na edição 553

‘O ‘foi-não foi’ ao Planalto da ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira para falar com a ministra Dilma Rousseff resultou na exposição pública do vespeiro de grupos políticos e sindicais que lutam pelo poder no órgão.

A Folha, que deflagrou o processo ao publicar entrevista de Vieira em 9 de agosto, na qual ela disse ter-se encontrado com Rousseff a sós ‘no final do ano passado’, não tem conseguido dar a seu leitor visão clara sobre que interesses de que pessoas estão em jogo nem esclarecer se a tal reunião de fato ocorreu e qual teria sido seu conteúdo e contexto.

O assunto é mesmo complexo. A ponto de um suposto peessedebista, Everardo Maciel, atacar a ex-secretária, que agora é estandarte da oposição, e o Ipea, acusado por antigovernistas de ter sido instrumentalizado pelo PT, divulgar estudo que serve como defesa de Vieira a qual, ao tomar posse, foi considerada ferramenta do PT para ‘destucanizar’ a Receita.

Mas é para isso que existem os meios de comunicação: explicar situações difíceis de entender e relatar episódios complicados de reconstituir com segurança. O jornal não tem sido capaz de mostrar o que distingue a gestão de Vieira das anteriores. Afirma que as exonerações ocorridas após a sua saída constituem ‘a mais grave crise da história da Receita’, mas não o comprova (por exemplo, comparando quantos funcionários de alto e médio escalões deixaram as funções quando ela assumiu).

Na quinta-feira, classificou o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Machado, como ‘eminência parda’ da Receita, mas não o ouviu nem identificou sua posição no entrevero. Também não escutou o ex-secretário Jorge Rachid. E sua entrevista com o ex-secretário Everardo Maciel saiu com atraso, mais curta e menos enfática, em comparação com as que ele deu a outros veículos.

Também foi com atraso que o jornal noticiou que o marido de Vieira foi ministro interino do governo FHC, o que não é muito relevante, mas não deixa de ser curioso.

A Folha também não revelou se os demissionários, que dizem ter deixado seus cargos para impedir a ‘politização’ do fisco, ficaram sem emprego ou perderam remuneração, dado que ajudaria o leitor a balizar o grau de abnegação e idealismo que lhes deve atribuir.

Passadas três semanas, ainda não se sabe quem mentiu. Estabelecer o que é mentira e se ela constitui sempre desvio ético ou às vezes pode ser admissível ou até louvável já ocupou as mentes dos maiores filósofos, que não chegaram a consenso, como revela o interessante livro recomendado abaixo.

Mas engraçado mesmo seria se o desejo do filho do personagem de Jim Carrey na comédia indicada a seguir (tornar o pai incapaz de mentir por 24 horas) pudesse ser atendido em relação a todos os envolvidos nesta polêmica.

PARA LER

‘A Saga do Mentiroso – Uma História da Falsidade’, de Jeremy Campbell, tradução de Virginia Martins Cortez, Graphia, 2008 (a partir de R$ 48)

PARA VER

‘O Mentiroso’, de Tom Shadyak, com Jim Carrey, 1997 (a partir de R$ 9,90)’

***

‘Combater sintomas não basta’, copyright Folha de S. Paulo, 30/8/09.

‘O extraordinário ‘Caráter’ (Oscar de melhor filme estrangeiro de 1998) mostra a maneira como se efetuavam despejos de famílias pobres na cidade holandesa de Roterdã nos anos 1920. O personagem Dreverhaven não hesita em carregar de sua casa uma senhora moribunda e jogá-la na rua e no frio para cumprir a lei.

Na terça-feira, com foto dramaticamente bela na primeira página, este jornal mostrou que, passados quase cem anos, na cidade brasileira de São Paulo os métodos de despejo não mudaram muito.

O registro da violência do despejo foi benfeito. Mas, depois de curta nota na quarta sobre permanência de muitos dos 2.000 despejados no ‘entorno’ da favela e de notícia sobre bebê sequestrado no sábado, o jornal não tratou mais do assunto.

Os desabrigados já estão acomodados? Não há outras histórias pessoais relevantes a serem contadas ao leitor? Nada a ser dito sobre o problema do deficit habitacional de São Paulo?

Este é mais um caso decorrente de enfermidades sociais graves, tratado como se fosse episódio isolado.

Ninguém combate doenças sérias lidando apenas com os sintomas.’

***

‘Onde a Folha foi bem…’, copyright Folha de S. Paulo, 30/8/09.

Aposentados

Cobertura das negociações para dar estabilidade ao trabalhadores prestes a se aposentar quarta está muito bem feita na quarta

DNA Paulistano

Lançamento de livro com a série de reportagens do ano passado sobre a cidade de São Paulo e mais informações inéditas amplia e premia um dos melhores trabalhos jornalísticos desta década

…e onde foi mal

Lobo Antunes

O fato de o escritor português Lobo Antunes estar namorando uma jornalista brasileira não justifica manchete de página, como na Ilustrada de sexta

Kennedy

Material sobre morte de Edward Kennedy na quinta não faz nenhuma referência a seu importante papel no combate às ditaduras militares na América do Sul, inclusive a do Brasil, e ao apartheid na África do Sul

Assuntos mais comentados da semana

1. Dilma versus Lina

2. José Sarney

3. Coluna do ombudsman

Pró-Memória

Artigo em 8 de agosto na página B11 levanta sérias dúvidas éticas sobre visita de ministro de Estado de Comunicação a ministros do STF às vésperas de decisão sobre monopólio postal e assunto não é retomado pela reportagem’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem