Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Carlos Eduardo Lins da Silva

08/12/2009 na edição 567

‘O artigo de César Benjamin publicado há dez dias motivou 219 leitores a escreverem ao ombudsman; só 9 o elogiaram.

O que provocou a reação foi principalmente o relato do autor de uma conversa durante almoço em 1994 na qual, segundo ele, o atual presidente da República e então candidato ao cargo contou história supostamente ocorrida em 1980, quando Luiz Inácio Lula da Silva passou 30 dias preso por liderar greves.

Até onde se sabe, não há registro de gravação em áudio ou vídeo desse encontro. Assim, a única possibilidade de tentar comprovar ou não a fidelidade com que Benjamin o descreveu é contrastar o seu depoimento com o de outros participantes.

Como escrevi na semana passada, o certo jornalisticamente teria sido o jornal apresentar o depoimento dos outros personagens na mesma edição em que a análise de Benjamin foi publicada. Isso não aconteceu.

Só no dia seguinte ele começou a oferecer ao leitor outros testemunhos da reunião. Mas, a meu juízo, de modo insuficiente. Duas das pessoas presentes disseram não se lembrar de ter ouvido o que Benjamin contou. Outra, um americano, aparentemente não foi contatado.

Uma delas, o cineasta Silvio Tendler, confirmou o teor do conteúdo, mas contestou o sentido. Sua fala foi registrada em um parágrafo em reportagem no caderno Brasil e em duas notas na coluna ‘Mônica Bergamo’. Como ele é o único que se mostra disposto a comentar com detalhes o assunto, parece-me essencial entrevistá-lo mais extensivamente para dar ao leitor melhores condições de formar um juízo de valor bem embasado.

Outra providência indispensável era ouvir quem esteve com Lula nos dias de prisão aludidos no bate-papo na campanha de 1994 para checar se algo como o relatado havia ou poderia ter ocorrido.

Isso também começou a ser feito no sábado, mas igualmente, em minha opinião, de maneira insatisfatória. Tanto que outros veículos de comunicação registraram depoimentos de ex-companheiros de cela de Lula em 1980 que não apareceram na Folha no dia 28 (embora depois tenham sido oferecidos ao leitor ou em reportagem ou em carta dos próprios). Todos negaram ter havido o incidente.

O principal personagem (além do próprio presidente, que se recusou a comentar o assunto), a alegada vítima da tentativa de ‘subjugação’ por parte de Lula, foi ouvido por outro veículo que circulou no fim de semana, mas a Folha só publicou seu depoimento, mais detalhado e com possíveis leituras diversas, na terça-feira.

Até ontem, o jornal também não havia editado um artigo com espaço e destaque similares aos oferecidos a Benjamin para confrontá-lo. É muito provável que o presidente e seus assessores mais próximos tenham se negado a escrevê-lo.

Mas creio haver pessoas com credibilidade e competência dispostas a fazê-lo. O público seria beneficiado com o contraste de opiniões e acho que em nome da isenção é importante promovê-lo.

A tarefa de reconstituir a verdade a partir de relatos verbais é quase impossível. As obras de ficção recomendadas ao lado ilustram bem essa complexidade e iluminam a compreensão da realidade.

Só quem crê dispor de certezas prévias inabaláveis, como os fanáticos religiosos ou políticos (muitas vezes são a mesma coisa), pode se achar capaz de distinguir verdade e mentira com base só em palavras.

Os que estão abertos à dúvida, como o poeta romeno-alemão Paul Celan, sobrevivente do Holocausto, autor do verso que serve de título para este texto, sabem da possível fragilidade inerente a qualquer testemunho verbal.

Ao jornalismo cabe, nessas situações, oferecer ao leitor a descrição do maior número possível de depoentes credenciados para que ele possa fazer o seu julgamento, levando em consideração que qualquer um pode estar sujeito a imprecisões, erros ou a mentir.

Quando há acusação grave envolvida, o jornal deve ser especialmente cauteloso. Uma boa política editorial aconselha que mesmo em artigos seja feita uma checagem cuidadosa dos fatos relatados, sempre preservando a argumentação defendida pelo autor.

O saldo do episódio não é, para mim, positivo para o jornal até agora.

PARA LER

‘Tristano Morre’, de Antonio Tabucchi, tradução de Gaetan Martins de Oliveira, Rocco, 2007 (a partir de R 23,12)

‘Ficções’, de Jorge Luis Borges, tradução de Davi Arrigucci Jr, Companhia das Letras, 2007 (a partir de R$ 27,60)’

***

‘Onde a Folha foi bem…’, copyright Folha de S. Paulo, 6/12/09

‘ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA

1. Artigo de César Benjamin

2. Reportagem sobre igrejas

3. Crise em Honduras

ONDE A FOLHA FOI BEM…

GÁS NO BRASIL

No domingo, levantamento competente da situação da indústria do gás no país.

HONDURAS

Capítulos aparentemente finais da novela hondurenha são cobertos de maneira correta pelo jornal, que se destacou no seu acompanhamento desde o início

…E ONDE FOI MAL

DIVÓRCIO E ORTOTANÁSIA

Mais duas decisões importantes do Congresso sobre assuntos do maior interesse público são noticiadas só depois de tomadas, sem dar ao leitor a oportunidade de acompanhar sua tramitação

ENCHENTES

Outro fim de ano, as mesmas cenas e reportagens sobre os efeitos das chuvas sem que, nos meses anteriores, o jornal acompanhasse de perto a ação das autoridades para impedir que se repetissem

PRÓ-MEMÓRIA

No início do ano, o jornal divulgou que Marcos Valério, pivô do mensalão, estava negociando delação premiada. A quantas andam essas negociações?’

Todos os comentários

  1. Comentou em 08/12/2009 Eduardo Alex

    Carlos Eduardo expôs a situação de forma clara e objetiva. Espero que a FSP reflita seriamente sobre o desastre que foi essa sua ação amadora e tenha o acuro necessário da próxima vez que decidir trilhar caminhos tão espinhosos.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem