Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Carlos Eduardo Lins da Silva

19/01/2010 na edição 573

‘Em 21 de dezembro do ano passado, em cerimônia pública em Brasília, foi lançado o programa de direitos humanos do governo federal, o terceiro da história e o primeiro da administração atual.

No dia seguinte, o evento mereceu na Folha um texto-legenda na capa e duas colunas de alto a baixo em página par interna. O programa só foi citado para explicar por que a reunião havia ocorrido.

Quase todo o espaço foi utilizado para tratar do novo corte de cabelo da ministra Dilma Rousseff. O segundo tema que mereceu atenção foi uma declaração do presidente Lula (os choques sofridos em tortura por quem lutou contra a ditadura ‘valeram a pena’). O terceiro foi a eleição presidencial, mencionada em comentários do presidente em discurso e entrevistas.

Só na sexta, 8, e especialmente no fim de semana, quando foi manchete de primeira página três dias, o programa apareceu como assunto mais importante do país, só desbancado pelo terremoto no Haiti. Se o programa é tão relevante, por que o jornal demorou 18 dias para descobrir? Mais grave ainda: por que não acompanhou o processo público de sua elaboração, que levou um ano desde a realização da 11ª Conferência Nacional dos Direitos Humanos, em 2008, cujos debates foram literalmente ignorados pela Folha?

Mais uma vez em seu noticiário político, este jornal age como se a editoria de esportes desconhecesse por completo um campeonato de futebol para anunciar, com atraso, só o resultado da última partida. No sábado, dia 9, quando o programa de direitos humanos foi manchete pela primeira vez, a coluna de São Paulo na página A2 teve o bom senso de alertar o leitor: nele ‘tudo pode porque, no fundo, nada é para valer’.

Mas, se é assim, por que tanto barulho, como se ele fosse lei em vigor, e não uma série de recomendações que, para se materializarem, terão de passar por longo processo de tramitação do Legislativo?

O jornal também demorou a mostrar ao seu público que as duas versões anteriores desse programa, de 1996 e 2002, eram muito parecidas com esta, consequência quase natural daquelas. Foi só na coluna de Brasília de segunda e numa ampla reportagem com boa arte na terça que isso ficou claro.

O tema dos direitos humanos é amplo e abrangente como o programa não poderia deixar de ser, conforme explicou artigo publicado na quarta sobre a gênese desse conceito, ainda mais bem discutida no livro abaixo recomendado.

O aspecto mais agudo da controvérsia, a criação de uma comissão da verdade sobre a ditadura, parece ter sido contornado, e o jornal explicou bem em reportagem na quarta como a confusão se criou.

O filme abaixo indicado mostra como foi o processo da primeira dessas comissões, na África do Sul, e vale a pena ser visto para ter uma perspectiva do que pode ocorrer no Brasil.

PARA LER

‘A Declaração Universal dos Direitos Humanos -60 Anos Sonhos e Realidades’, de Maria Luiza Marcílio (organizadora), Edusp, 2008 (a partir de R$ 43,20)

PARA VER

‘Em Minha Terra’, de John Boorman, com Samuel Jackson, 2004 (a partir de R$ 24,90)’

***

‘Cobertura do terremoto no Haiti’, copyright Folha de S. Paulo, 17/1/10.

‘A cobertura do terremoto no Haiti por este jornal começou claudicante na edição de quarta-feira, quando foi manchete só na edição São Paulo e mal foi mencionada na capa a possibilidade de haver vítimas brasileiras, mas terminou a semana com louvor.

Três enviados especiais começaram a encaminhar material publicado a partir de quinta, com informações, histórias e fotos exclusivas, em especial sobre a situação de compatriotas, que valorizam demais o conteúdo oferecido ao leitor.

A manchete de sexta merece menção por superar o vício muitas vezes apontado aqui de repetir o que todo mundo já sabia (praticado na quarta e quinta).

Ao contrário, a de anteontem parte do pressuposto de que o leitor sabe o que está acontecendo no Haiti, destaca um aspecto relevante na estrutura do país (a fragilidade do Estado), relaciona-a com a tragédia corrente e indica uma tendência (de que o socorro às vítimas será dificultado por essa característica do país). Foge do lugar-comum, incita o leitor a raciocinar, extrapola o meramente factual.’

***

‘Onde a Folha foi bem…’, copyright Folha de S. Paulo, 17/1/10.

‘Brasileiros nos vizinhos

Boa reportagem no domingo sobre problemas de cidadãos brasileiros em países vizinhos

Contas de luz

Jornal acerta em continuar cobrando providências do governo quanto à cobrança indevida em contas de luz por anos apontada em reportagem publicada há meses

…e onde foi mal

‘Personal trainer’

Reportagem na terça condena aparelhos de ginástica instalados no parque Ibirapuera (SP) com base na opinião de um só ‘personal trainer’, cuja qualificação não é revelada ao leitor

Ensino de espanhol

Leitor tem sido informado sobre problemas para escolas públicas paulistas cumprirem lei federal que obriga ensino de espanhol nos colégios este ano, mas não sobre situação nos outros Estados’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem