Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Carlos Eduardo Lins da Silva

09/02/2010 na edição 576

‘Muitos analistas de política americana vêm condenando o governo de Barack Obama, que completou um ano, a um prematuro e retumbante fracasso. Este não é o espaço para discutir a procedência de tais vaticínios.

Mas Obama merece crédito ao menos por ter adotado atitude rara em pessoas públicas, políticos e jornalistas em particular: a capacidade de admitir seus próprios erros.

Em pelo menos três ocasiões, duas delas em entrevistas a veículos de comunicação, disse, com poucos rodeios, que ou ele ou sua administração (por cujo comportamento assume responsabilidade final, outro comportamento cada vez mais incomum entre governantes) cometeram equívocos.

Para efeito de comparação com um de seus predecessores, Richard Nixon só aceitou em público inúmeros e trágicos desacertos anos após ter deixado o poder, e por conta do magnífico trabalho de um jornalista, registrado no filme indicado ao fim deste texto.

Nestes quase dois anos no exercício da função de ombudsman, observo a enorme relutância por parte de muitos colegas em aceitar que erraram, mesmo quando é impossível negá-lo. A Folha historicamente tem sido o veículo de renome brasileiro mais aberto a publicar correções. A seção ‘Erramos’, em sua forma atual, completa 19 anos no próximo dia 17.

Uma tese de mestrado em comunicação foi escrita sobre ela em 1998 por Mirna Feitoza Pereira. A conclusão é que ‘o erro faz parte da busca pela verdade. É só a partir de sua descoberta que é possível elaborar uma representação mais fiel e completa do objeto. Verdade e erro constituem-se em representações complementares, capazes de diminuir a fenda que há entre a realidade e a sua representação’.

Esta é uma das razões por que é tão importante reconhecer os erros num jornal. Proceder assim diminui a possibilidade de repeti-los, ajuda-o a aperfeiçoar o trabalho futuro, oferece ao leitor uma visão mais aproximada dos fatos relatados e da maneira como seu relato é construído.

Além disso, como ressalta o ‘Manual da Redação’, essa disposição de reforçar seus próprios erros revela o esforço institucional de ser transparente com o leitor, essencial para o estabelecimento de vínculo de confiança.

É uma pena que com frequência a determinação do ‘Manual’ (‘A Folha retifica, sem eufemismos, os erros que comete; a retificação deve ser publicada assim que a falha for constatada’) não seja cumprida.

As atribulações do cotidiano de produção do jornal diário, muito bem descritas no livro abaixo recomendado, explicam não só por que tantos erros ocorrem, mas também por que as correções às vezes atrasam. Mas não justificam nem uma coisa nem outra.

É indispensável empenho cada vez maior para diminuir o número de erros e para registrá-los para o leitor de modo límpido e rápido quando não forem evitados.

PARA LER

‘Introdução ao Jornalismo – Como Fazer Jornal Todos os Dias’, de Luiz Caversan, Saraiva, 2009 (a partir de R$ 31,20)

PARA VER

‘Frost/Nixon’, de Ron Howard, 2008 (a partir de R$ 35,91)’

***

‘Mensagem ao Congresso de novo ignorada’, copyright Folha de S. Paulo, 7/2/10.

‘Em 8 de fevereiro de 2009, critiquei aqui o fato de este jornal ter limitado a duas notas na coluna ‘Painel’ o noticiário sobre a mensagem que o presidente da República é obrigado pela Constituição a mandar ao Congresso Nacional todos os anos com as prioridades do Executivo.

Na edição desta quarta-feira, a mensagem presidencial de 2010 mereceu, além de (novamente) duas notas na mesma seção, um parágrafo e meio no fim do texto sobre a cerimônia em que foi lida. No restante, o destaque todo foi para fofocas referentes à eleição presidencial.

O jornal deveria editar resumo detalhado da mensagem, e acompanhá-la durante o ano todo em reportagens. Ela é a agenda do governo para o ano. O leitor tem o direito de conhecê-la e fiscalizar seu cumprimento.

Se Congresso e Planalto parecem desprezar a mensagem, um motivo a mais para o jornal exigir que seja respeitada.

Na quinta-feira, pequena reportagem informou que a Consolidação das Leis Sociais não consta do documento, embora seja anunciada pelo governo como prioritária. Pouco, quase nada, mas melhor do que em 2009.’

***

‘Onde a Folha foi bem’, copyright Folha de S. Paulo, 7/2/10.

‘ONDE A FOLHA FOI BEM…

CARGOS DE CONFIANÇA

Na segunda, ótima reportagem, fruto de apuração autônoma do jornal, mostra aumento do número de funções comissionadas no governo federal

CONTAS DE LUZ

Notícia na quarta de que a Aneel mudou cálculo do reajuste de tarifas de energia premia reportagem de outubro, que revelou erros que causaram perdas de R$ 1 bilhão por ano aos consumidores

BRASIL E IRÃ

Jornal percebe importância dos contatos entre Brasil e Irã e os vem explorando jornalisticamente bem

…E ONDE FOI MAL

CARGOS DE CONFIANÇA

Texto da manchete de segunda cita ‘cargos nomeados’, quando é óbvio que nomeado não é o cargo, mas seu ocupante

HAITI

Talvez pior do que esquecer o assunto, cobertura o transforma em simples caso policial de sequestro de crianças

TOYOTA

Mesmo que não atinja brasileiros, casos de ‘recall’ de automóveis são importantes e merecem mais atenção

PRÓ-MEMÓRIA

Como está o caso do ex-deputado estadual do PR Luiz Fernando Ribas Carli Filho, que em maio.09, com habilitação suspensa, em alta velocidade e sob suspeita de estar alcoolizado, provocou acidente em que morreram duas pessoas?

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS DA SEMANA

1. Chuvas

2. Enem

3. Delegados’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem