Paulo Rogério | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Terça-feira, 21 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

VOZ DOS OUVIDORES > O POVO

Paulo Rogério

31/12/2012 na edição 727
“Desafios para 2013”, copyright O Povo, Fortaleza (CE), 30/12/2012

“'O importante é não parar de questionar.' Albert Einstein, físico alemão

'Os repórteres precisam ser mais instigadores, que façam mais contrapontos e não aceitem tudo passivamente, sem contestar nada'. O pedido da leitora Luciene Alice foi enviado ao ombudsman apenas na última semana de 2012, mas coloca em pauta um tema que durante o ano figurou entre os mais exigidos, seja neste espaço, seja na avaliação diária que é enviada para a Redação do O POVO.

Luciene diz que fica 'horrorizada' com o que é publicado, principalmente, diante de algumas matérias onde ela diz ter conhecimento do assunto. 'Ninguém aceita críticas. Mas há uma falha terrível nos repórteres. Por não entenderem do assunto ou por não aprofundarem, não questionam nada. Aceitam os dados, os indicadores e as informações recebidas do entrevistado' afirmou Luciene.

Provocação constante

A crítica da leitora não pode e não deve ser generalizada, obviamente. Há muitos exemplos no jornal que contrariam a reclamação. Nem termina na simples confrontação de exemplos aqui e acolá. A queixa está intimamente ligada a uma das essências do jornalismo e é importante ser lembrada por quem exerce a profissão: ouvir todos os lados de uma notícia, analisar o que é declarado e fugir da mera declaração.

A observação da leitora chega em um momento particularmente especial. Essa é a minha penúltima coluna como ombudsman do O POVO.

Desde que assumi a função, em janeiro de 2010, a maior preocupação tem sido exatamente essa: provocar no profissional do jornal – e nos demais integrantes do grupo – a curiosidade, o desafio e o eterno questionamento. Prova que esses itens devem continuar sendo exigidos.

Jornalismo do bem

Nem só de notícias apontadas como 'ruins' – tragédias e denúncias – vive o bom jornalismo. Prova disso foi o caderno Ciências & Saúde do último domingo, 23 de dezembro, e que serviu de base para a manchete de capa 'Solidariedade'. O caderno abordou o trabalho voluntário que diversas pessoas exercem diariamente, de forma anônima e nas mais diferentes áreas, em prol de um único objetivo: fazer o bem. O leitor Hamilton elogiou o trabalho e deu a dica para as próximas edições. 'Excelente matéria. Precisamos que a mídia divulgue mais informações assim e menos desgraça'.

Detalhe esquecido

No meio de toda polêmica criada em torno da realização do Réveillon em Fortaleza um ponto deixou de ser investigado pela imprensa. A prefeita Luizianne Lins divulgou em nota, dia 20 de dezembro, que a 'Secretária do Patrimônio da União (SPU) não havia concedido, até aquela data, a concessão de uso do aterro da Praia de Iracema'. Luizianne repetiu a justificativa em entrevista, exclusiva, publicada em Política, dia 23, onde acrescentou uma possível 'má vontade da secretaria'. Para o leitor ficou a dúvida. Ninguém se preocupou em simplesmente entrar em contrato com a SPU e questionar se houve um pedido e de quem partiu. Por isso os leitores chiam…

Esquecido pela mídia

Votação na Câmara da PEC que determina o fim do voto secreto no Congresso.

FOMOS BEM

NATAL

Crônicas dos jornalistas marcaram o Especial de Natal na edição de segunda-feira

FOMOS MAL

DEMORA

Atraso na publicação dos Erramos apontados”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem