Terça-feira, 19 de Novembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1064
Menu

MEMóRIA >

Joaquim Vieira

20/10/2009 na edição 560

‘O mais frustrante da actividade do provedor é perceber que as suas chamadas de atenção caem em saco roto. Não tanto no que respeita a recomendações sobre a prática jornalística, pois a redacção do PÚBLICO é livre de discordar do que aqui se diz, mas sim quanto ao respeito pela língua portuguesa e à salvaguarda dos seus normativos – o que devia passar por consensual e universalmente aceite.

A crónica anterior (‘Em defesa da pátria’) foi já dedicada a questões linguísticas, entre elas o frequente problema da errada tradução literal de termos ingleses. Pois logo nesta semana dois leitores alertavam o provedor para uma calinada do género. Numa notícia sobre as exigências de última hora do presidente checo, Vaclav Klaus, para assinar o Tratado de Lisboa, saída no PÚBLICO.PT na quinta-feira e repetida anteontem na pág. 18 da edição em papel, dizia-se que o primeiro-ministro sueco, Frederik Reinfeldt, na qualidade de presidente em exercício da União Europeia, teria declarado: ‘Pelo que percebi, ele pediu [que fossem incluídas] numa nota de rodapé duas sentenças relacionadas com a carta dos direitos fundamentais’. Comentou Rui Miguel Neiva: ‘A não ser que o presidente checo esteja a pensar condenar alguém, suponho que o que ele quer incluir são duas frases (‘sentences’ em inglês) e não duas sentenças. Sinceramente já começam a cansar estes erros tão básicos. Quando estamos a falar de palavras mais desconhecidas ainda se pode compreender a transliteração do inglês, agora nestes casos penso que é de uma falta de profissionalismo inimaginável’. E acrescentou Nuno Curado: ‘Tendo em conta que o primeiro-ministro sueco se estava a referir a duas frases e não a duas sentenças judiciais, acho que se trata de um erro muito grave. Mesmo tendo em conta a contenção de custos que o PÚBLICO tem tido, há um mínimo aceitável nas revisões que se fazem num jornal de suposta referência’.

Na crónica anterior também se criticava uma liberalidade jornalística cada vez maior quanto ao uso de preposições, como se não houvesse o cuidado de recorrer à mais adequada, mas sim à que melhor soa aos ouvidos do redactor. O leitor Rodrigo Valle Teixeira criticou o título da pág. 5 de 5 de Setembro ‘Cientistas portugueses usam teoria dos jogos para redefinir o combate do cancro’, sublinhando que ‘a batalha não é do cancro, é contra o cancro’. E não se tratou de mera distracção, já que o mesmo erro apareceu no texto (‘A equipa descobriu que o sucesso do combate deste cancro…’) e na legenda da foto (‘O estudo de Jorge Pacheco dá novas pistas para o combate do cancro’). Ou então teremos um bizarro grupo de cientistas apostados em ajudar o cancro a derrotar a espécie humana.

A sensação – um pouco impotente – que se tem é que a linguagem jornalística está dominada por uma série de vícios que nada nem ninguém consegue já eliminar. Um dos mais frequentes, e contra o qual o provedor desde cedo declarou guerra, é aquele que nesta coluna foi baptizado como ‘praga de Catual’: a passagem por artes mágicas da partícula ‘que’ a sujeito singular quando faz as vezes de plural, o que obrigaria o predicado (verbo) correspondente a respeitar o plural. É o caso apontado por Francisco Luís: ‘Ouso perguntar se está correcta a frase que leio no editorial do esclarecidíssimo director [José Manuel Fernandes] do jornal (18 de Agosto, penúltimo parágrafo): ‘A Califórnia é um dos estados que está a mudar a sua legislação’. Porque está em moda esta – julgo! – errada forma gramatical, gostaria de saber se o correcto não seria, ou será: ‘A Califórnia é um dos estados que estão a mudar a sua legislação’.’ Seria, com efeito. E não é que horas depois escrevia de novo o mesmo leitor? ‘Nem de propósito!’, comentava. ‘Leio o PÚBLICO e deparo na pág. 6 [de 20 de Agosto] com ‘um dos raros socialistas que esteve ao lado de Cavaco na polémica do Estatuto dos Açores’. Esteve ou estiveram?’

A praga alastrou de facto, e é cada cavadela sua minhoca. Eis exemplos colhidos pelo provedor da mais recente leitura do jornal: ‘uma das muitas caras que em frente à Casa Branca comentava a atribuição do Nobel da Paz’ (ontem, pág. 6); ‘Severiano Teixeira é um dos ministros que tutela as contrapartidas’ (legenda de foto, 3 de Outubro, pág. 3); ‘Sócrates é dos que mais tem feito pela pobreza’ (provavelmente, tal como quanto ao cancro, será ‘contra a pobreza’ – 26 Set., pág. 17); ‘um dos países que já asseguraram que sustentará esta ambição portuguesa’ (o primeiro verbo ainda manteve a correcção, mas o segundo falhou-a – 22 Set., pág. 8); ‘era um dos poucos cubanos ainda vivos que ostentava o título de ‘comandante da revolução’’ (13 Set., pág. 16); ‘um dos artistas que passa de um lado para o outro com um trabalho completamente ímpar’ (6 Set., pág. 7); ‘um dos poucos políticos que se preocupava com os seus eleitores’ (28 Ago., pág. 13); ‘um dos primeiros políticos de âmbito e gabarito internacional que, logo a seguir ao 25 de Abril, fez questão de vir a Lisboa e ver com os seus próprios olhos o que se estava a passar’ (27 Ago., pág. 6); ‘um dos banhistas que saiu da água’ (23 Ago., pág. 7); ‘uma das romarias que aposta forte na música’ (16 Ago., pág. 5); ‘um dos portugueses que já faz do póquer profissão’ (legenda, Pública, 9 Ago., pág. 19); ‘Salário mínimo português foi dos que mais cresceu na zona euro durante a crise’ (título a toda largura da pág. 15, 5 Ago.); ‘um dos que mais sobe na zona euro’ (5 Ago., pág. 15); ‘A memória das nossas pretensões anteriores é das que mais magoa’ (29 Jul., pág. 31); ‘Uma das possibilidades que ontem era avançada’ (27 Jun., pág. 14); ‘nem sequer era um tópico da actualidade mas antes um daqueles que é reciclado regularmente’ (P2, 24 Jun., pág. 10); ‘Uma das situações que mais me tem intrigado’ (P2, 20 Jun., pág. 18); ‘um dos homens que agora tentou fugir de Caxias’ (18 Jun., pág. 37); ‘Um dos juízes de Braga que condenou o ucraniano’ (12 Jun., pág. 11); ‘Uma das páginas do PÚBLICO que fez a comunidade gay delirar’ (legenda, Inimigo Público, 11 Jun., pág. 3); ‘um dos nomes do contingente nórdico de autores de ‘policiais’ que está a ser descoberto’ (Ípsilon, 5 Jun., pág. 43); ‘é um dos dispositivos que poderá mudar os dados’ (3 Jun., pág. 16); ‘uma das autoras que contribuiu com artigos sobre o caso’ (P2, 3 Jun., pág. 5): ‘é um dos magistrados ligados ao Freeport que terá manifestado suspeitas’ (14 Fev., pág. 9).

Será fútil esta reiterada colheita do provedor? A expectativa era que, com a denúncia repetida do erro, os jornalistas se corrigissem, mas na verdade não há melhoras, e a praga campeia por aí. O provedor duvida até que os membros da equipa do PÚBLICO leiam esta página, já para não falar em reflectirem sobre o que nela se diz.

Situação idêntica surge com a aqui já designada ‘síndrome da bica’, como se o jornalista deixasse uma frase a meio para ir tomar um café e a terminasse no regresso sem ligar ao que antes escrevera. Resultado: discordância entre sujeito e predicado, no género ou na quantidade. Deve dizer-se que estas ocorrências fazem a delícia de alguns leitores, como A.F. Neiva Correia: ‘Li no PÚBLICO de 4 de Março o artigo que fazia manchete [‘Deficiente perde benefícios fiscais por falsa dívida de 1,97 euros’] e fiquei elucidado sobre o nível, ou a falta dele, dos que escrevem nesse jornal. Vamos aos factos: ‘Todo esta situação foi confirmado ao PÚBLICO por fonte oficial’. Desculpe? ‘Todo a situação confirmado’? Mas há mais: ‘dois despachos da DGCI determinam que fossem anuladas os benefícios fiscais’. ‘Anuladas os benefícios’? Em que planeta vive este jornalista? Ainda na mesma edição, pág. 31: ‘a fiabilidade global das demonstrações financeiras (…) poderão ser questionadas’. A ‘fiabilidade poderão’?’

Últimas ocorrências (entre certamente muitas outras, já que a leitura que o provedor faz do jornal está longe de ser exaustiva): ‘A nossa incapacidade de debatermos o regicídio, a noite sangrenta ou, no pós 25 de Abril de 1974, a descolonização resultam em grande parte dessa atávica associação’ (8 Out., pág. 37); ‘O secretário-geral do PS, assim como outros dirigentes do partido, já disseram quarta-feira que consideravam o caso encerrado’ (3 Out., pág. 7); ‘Tentámos contactar Manuela Moura Guedes, mas não obteve resposta até ao fecho desta edição’ (idem, ibidem); ‘os mal-entendidos entre a essência do projecto europeu e os seus destinatários não parou de crescer’ (entrada de artigo, P2, 1 Out., pág. 5); ‘Louçã manteve o mesmo tom acusador e inquiridor que o caracterizam nestes debates’ (9 Set., pág. 9); ‘o fim dos benefícios fiscais fazem parte de um modelo diferente de organização económico-social’ (idem, ibidem); ‘O regresso das acções terroristas da ETA trouxeram ontem à rua’ (21 Jun., pág. 40); ‘Os refrescos e as sanduíches são exclusivos e deliciosos, mas, crucialmente, também são baratas’ (29 Abr., pág. 35); ‘Se a viabilização deste projecto parece ser certo’ (16 Abr., pág. 4).

E depois há coisas que se lê neste jornal e não se acredita: ‘o caso social mais urgente da persecução de obras públicas’ (trata-se não de perseguir as obras públicas mas da sua prossecução – entrada de artigo, 3 Set., pág. 4); ‘levou a que um fogo provocado por uma avaria eléctrica se espalha-se por todo o aparelho’ (P2, 2 Set., pág. 2); ‘A mãe, bailarina, prevera nos astros’ (P2, 2 Set., pág. 4); ‘as comemorações do centenário da República, que serão comemorados no próximo ano’ (11 Ago., pág. 6); ‘Há 1h00 da manhã de ontem’ (20 Jul., pág. 8); ‘Embora o avô de Lobo Antunes lê-se pouco’ (P2 6 Jul., pág. 4); ‘duvido que LFV aceita-se um debate’ (P2, 20 Jun., pág. 2).

Por último, o desabafo enviado ao provedor há uma semana pelo leitor José A. Ribeiro da Cunha: ‘No dia em que escreve ‘em defesa da pátria’, encontro esta pérola na pág. 4 do PÚBLICO: «‘Obrigada Irlanda’, afirmou Durão Barroso».’

A luta continua.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem