Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Marcelo Beraba

16/11/2004 na edição 303

‘Enrico, de um ano e oito meses, é o personagem da capa da Folhinha do dia 6. Ele está fotografado parado, com os olhos para cima, atento aos movimentos de um pente e uma tesoura que ajeitam seu topete. A foto ilustra a reportagem principal do caderno: ‘Com que cabelo eu vou? Novos cortes e penteados fazem a cabeça das crianças em salões com muitas brincadeiras’.

Na mesma capa, no terço inferior, há um anúncio. Uma mulher deitada de lado e sem blusa vende sandálias femininas. A foto mais insinua do que expõe, mas tem um claro objetivo de apelo erótico.

Nenhuma outra edição do suplemento infantil da Folha despertou, neste curto período em que exerço a função de ombudsman, tantas cartas e ligações -e todas de reprovação.

Duas leitoras reclamaram do tema escolhido para a capa. Uma delas considerou ‘um estímulo às futilidades, à vaidade desenfreada e sem sentido’. E perguntou: ‘O que há na cabeça dos pais (e o jornal parece concordar com eles, já que lhes dá espaço), que permitem que crianças tão pequenas façam tintura no cabelo?’.

Mas a reclamação principal foi sobre o anúncio. Reproduzo trechos da carta de Ana Claudia Peters Salgado que sintetizam o que outros leitores manifestaram: ‘Sou professora e mãe de dois meninos, de oito e sete anos. Meus filhos estudam em um colégio que estimula a leitura de jornais e, inclusive, sugere a Folhinha como o mais interessante e adequado à faixa etária deles. Acontece que, ao comprar a Folha no sábado [6], fiquei surpresa ao encontrar uma contradição: num dos cadernos [página C6 de Cotidiano] havia uma notícia sobre a condenação de Zequinha Barbosa [ex-atleta] por exploração sexual de menores; e, na primeira página da Folhinha, uma propaganda de uma sandália com uma foto de uma modelo adolescente e seminua. Fiquei em dúvida! Será que não estamos condenando com uma mão e instigando com outra? Precisamos mesmo vender sandálias infantis usando meninas seminuas? Se precisamos, não deveria essa foto estar em outro caderno que é mais lido por pais e Zequinhas? Se não precisamos, por que então ela está ali? Não resta dúvida que há maneiras e maneiras de lidarmos com as imagens e informações que nossos filhos vêem nos jornais. Mas os jornais não poderiam ser mais cuidadosos com os nossos jovens leitores?’.

Poderiam e deveriam.

O erro da Folha

No caso, não resta dúvida de que a Folha errou ao publicar o anúncio na capa da Folhinha. O erro foi da área comercial, que aceitou o anúncio e não o submeteu à aprovação ou ao veto da Redação, como costuma acontecer nos casos de publicidade que possam trazer incômodo aos leitores.

Segundo Sylvia Colombo, editora do suplemento, o anúncio é ‘nitidamente impróprio à publicação num caderno voltado ao público infantil’.

Quanto ao tema da capa, os novos cortes e penteados que estão na moda para as crianças, ela assim o justifica: ‘A Folhinha tem buscado aproximar os temas de suas capas a assuntos relativos à vida das crianças. Sem diminuir o espaço para reportagens de tom educativo e de estímulo à leitura, já tradicionais no caderno, buscamos introduzir assuntos que estão presentes no dia-a-dia. Daí a inclusão de pautas mais urbanas e relativas a consumo, que inegavelmente fazem parte do cotidiano das crianças. De maneira nenhuma a intenção é incentivar a ‘vaidade desenfreada’, e sim tratar desses temas com algum humor, e de forma parcimoniosa’.

A Folhinha de ontem deu dicas para as crianças fazerem pesquisas na internet, e o anúncio da moça sem blusa foi substituído por um com desenhos infantis.’

***

‘A imagem da guerra’, copyright Folha de S. Paulo, 14/11/04.

‘Na quarta-feira os leitores voltaram a se manifestar, desta vez contra a publicação de uma foto do ‘New York Times’ em Mundo. A imagem, que rasga a página A10 do alto até abaixo da dobra, mostra soldados dos Estados Unidos que dominam uma calçada de Fallujah, no Iraque, e dois corpos de iraquianos mortos no chão.

É comum que leitores reclamem quando o jornal publica imagens de guerra. São sempre chocantes. Quase sempre a publicação é justificada pela denúncia das atrocidades. Mas às vezes parecem, pela repetição rotineira de cenas degradantes e extremamente violentas, desnecessárias e redundantes.

Nesse caso específico a imagem é de um impacto muito forte porque um dos mortos está em primeiríssimo plano, de olhos abertos; e o outro tem a cabeça arrebentada e sangra.

Os leitores que escreveram ou telefonaram chocados consideraram que Folha foi ‘sensacionalista’ ao publicar a foto.

Marco Chaves é assinante do jornal. Sua reação: ‘Nunca me senti tão indignado ao ver fotos de pessoas mortas como hoje. Não creio que o jornal necessite de algo deplorável como isso para vender e também não acredito ser necessário receber esse tipo de informação visual, que não agrega nada e somente banaliza a violência’.

Doris Satie Fontes faz outro tipo de ponderação: ‘Já sabemos que guerras são terríveis e absurdas. Neste caso, em particular, já estamos cansados, inclusive, do tema!’. Outra leitora, e não obtive autorização para identificá-la, argumenta: ‘Penso que a Folha esteja com a intenção deliberada de direcionar seus leitores contra a invasão norte-americana do Iraque, mas creio que há outras formas mais polidas de tratar do assunto, e logo pela manhã’.

Memória visual

Levei essas questões e impressões para o editor de Fotografia da Folha, Toni Pires. Sua resposta: ‘Realmente a foto é chocante, e não é sempre que publicamos esse tipo de imagem. Chegam até nós diariamente muitas imagens clichês da guerra. Essas, os leitores já decodificaram e não mais se chocam. Em alguns momentos, vejo a necessidade de mostrar os fatos ‘mais de dentro’. Os últimos acontecimentos no Iraque são a demonstração de atos bárbaros praticados por ambos os lados envolvidos. As poucas imagens diferentes que recebemos nos mostram um cenário de horror. Acredito que, por mais inquietante e doloroso que seja para o leitor, é nosso papel mostrar algo mais. Não com o objetivo simplista de uma certa estética do horror. Mas com o compromisso de levar até o leitor um pouco mais do que o simples comentário ilustrativo. São fotografias que devem ser lidas e entendidas como a memória visual de nossa época. Não acho que devamos sair publicando esse tipo de imagem todos os dias, mas vejo importância de, em determinados momentos, enfrentarmos o desagrado e o incômodo. O que mostramos é nada perto do que está acontecendo. Afinal, 600 iraquianos já foram mortos em Fallujah, segundo os EUA, em apenas quatro dias de combates’.

O assunto é antigo e já foi discutido por outros ombudsmans. Como conciliar o respeito à sensibilidade dos leitores com a responsabilidade de revelar os horrores de guerras e atentados? É difícil, e não há uma fórmula que oriente a decisão do editor. Alguns jornais se guiam pelo que os americanos chamam, de brincadeira, do teste do café da manhã. Qual será a reação do leitor no desjejum? Mas esse não pode ser o único critério.

Em março, os iraquianos, nessa mesma Fallujah, queimaram, arrastaram pelas ruas e penduraram em uma ponte sobre o rio Eufrates os corpos de quatro americanos. Era o início da insurreição na cidade, que depois seria completamente dominada pelos iraquianos, e as fotos eram um documento chocante da barbárie.

A imagem de quarta-feira dos iraquianos mortos e abandonados não tem o mesmo peso porque eram soldados anônimos -mais dois. Mas é igualmente um atestado da mesma estupidez.

O jornal poderia ter escolhido uma foto menos explícita? Poderia ter dado sem tanto destaque? Poderia. Mas, ao publicar, avalio, erra menos pelo excesso do que erraria pela omissão.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem