Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S.PAULO

Mário Magalhães

27/11/2007 na edição 461

‘Um leitor telefonou para contar que no domingo passado desistiu de ler a reportagem eleita para a manchete porque ‘cansou de caçá-la entre os anúncios’. Também penei. Garimpei os textos nas páginas A4, A8 e A13. Entre eles, uma fartura de publicidade.

‘Está difícil achar os artigos da Folha nessa salada de prédios e condomínios’, desabafou uma leitora. Outro leitor cutucou: ‘A Folha é um jornal de notícias com alguns anúncios ou um jornal de anúncios com algumas notícias?’.

Avolumaram-se as manifestações de leitores após a edição de 10 de novembro, com 200 páginas, recorde da Folha em um sábado. Muitos somaram os anúncios nos 16 cadernos: os de página inteira foram 82. A publicidade tomou mais da metade do espaço. Em si, o boom publicitário vale um festejo. Expressa descolamento em relação aos EUA. O ‘New York Times’ noticiou que os grandes jornais americanos vendem hoje 10% menos exemplares que em 2000.

No mesmo período, a queda da Folha, diário nacional de maior circulação paga em setembro, foi de 30% (de 441 mil para 307 mil por dia).

É tendência mundial: jornal de informação geral dito de prestígio perde leitores em papel e ganha na internet.

Na receita com publicidade, deu-se o contraste. O New York Times Media Group, na mesma passada da mídia impressa americana, faturou 5,4% menos no segundo trimestre de 2007 em comparação com o do ano anterior.

No Brasil, o Projeto Inter-Meios constatou que o pulo dos jornais do terceiro trimestre de 2006 para o deste ano foi de 26%. Pedi confirmação, e a Redação não respondeu, à informação corrente na empresa: o faturamento da Folha em outubro teria sido o maior obtido em um só mês.

Nem o crescimento da receita com anunciantes a Secretaria de Redação divulgou. Afirmou apenas que ‘o faturamento comercial neste ano está acima do esperado’.

Busquei uma informação pública, no jornal ‘Meio & Mensagem’ de 27 de agosto: o diretor-executivo comercial da Folha, Antonio Carlos de Moura, disse que até julho o salto foi de 8% (do jornal impresso; o da Folha Online foi de 20%, mas sua fatia no bolo é ainda pouca expressiva).

A publicidade constitui a fração majoritária da receita, confirma o ‘Manual da Redação’, segundo o qual ‘os anúncios são parte do conjunto de informações que o leitor procura todos os dias no jornal’.

Concordo: quem quer comprar um apartamento folheia jornal. A pujança do mercado imobiliário é a principal responsável pelo aquecimento, secundada pela venda de automóveis, em meio à expansão da economia.

Mas não é a publicidade o interesse essencial dos leitores, e sim o jornalismo. Para honrar o brinde, os anúncios devem gerar benefícios jornalísticos, e até agora isso não ocorreu. Não só porque a leitura nos fins de semana se assemelha a uma corrida de obstáculos, mas porque os recursos que chegam não se convertem em mais investimentos, a considerar o que se lê.

Não se notaram progressos nas pautas, nas reportagens, nas edições. Parece fraquejar a ambição jornalística.

A Redação assegura que ‘o crescimento de receita publicitária permite à empresa obter um resultado melhor e a continuar a investir em um jornalismo de qualidade’.

Então sugiro: a Folha poderia reinstalar correspondentes país afora (a começar por Belém) e no exterior (por Pequim) e recusar tantas viagens gratuitas, a ‘convite’ de quem se favorece delas. E manter, entre as páginas editoriais, a publicidade no limite do bom senso -parte dela se agruparia em cadernos específicos.

Anúncios são bem-vindos. Mas eles devem propiciar um jornal melhor, e não configurar um estorvo aos leitores.’

***

‘Folha erra e insiste nos erros’, copyright Folha de S. Paulo, 25/11/07.

‘A Folha apurou uma informação valiosa para o último domingo: as empresas ABC Industrial e Nacional Distribuidora de Eletrônicos doaram R$ 500 mil ao PT.

Elas são ligadas à Cisco, gigante mundial do mercado de redes de computadores cujas importações no Brasil aparentemente foram feitas com valores subfaturados.

Policiais federais que investigam a fraude contaram, sem que seus nomes fossem revelados, que as duas firmas não têm condições de arcar com tamanho desembolso. E que o pagamento se deu em troca de favorecimento a outra empresa próxima da Cisco, a Damovo, em leilão eletrônico da Caixa Econômica Federal.

O jornal descobriu que foram encontrados os recibos das doações, o PT as confirmou e disse que são legais.

As informações têm interesse público. Porém a manchete foi ‘Cisco usou laranja para doar R$ 500 mil ao PT, afirma PF’. Como evidenciou nota posterior da Polícia Federal, a instituição nada afirmou. Informações em ‘off’ foram tratadas pela Folha como declarações oficiais. Um engano no qual o jornal reincidiu.

Na segunda-feira, a reportagem ‘Caixa alterou edital de concorrência que diz não ter mudado’ concluiu: ‘Na ‘retificação’ foram retiradas do edital características técnicas dos equipamentos -e foi graças à sua proposta técnica, e não ao preço menor, que a Damovo venceu o pregão’.

Mais: ‘Em troca [da doação ao PT] a Caixa alterou edital para que a Damovo, distribuidora da Cisco, vencesse um leilão’. A CEF respondeu que a mudança ocorreu em leilão que a Damovo perdeu, não no que ganhou. O jornal não teve como contestar, contudo não se corrigiu. Pior que errar é insistir no erro. No submundo dos agrados a partidos, não duvido de nada. Mas o jornalismo deve ser fiel aos fatos. E os fatos contradizem a Folha.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem