Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ENTRE ASPAS > ARGENTINA

Ministra diz que caso é show da oposição

31/03/2011 na edição 635


Folha de S. Paulo, 31/3


Lucas Ferraz


Ministra argentina diz que caso ‘Clarín’ é ‘show’ da oposição


A ministra da Segurança da Argentina, Nilda Garré, recusou-se a ir ao Congresso para explicar a atitude do governo diante do bloqueio do diário ‘Clarín’, alegou que não participaria de ‘show armado’ e acusou a oposição de ajudar no que classificou de ‘vitimização’ do jornal.


No domingo, manifestação de um grupo de sindicalistas ligados ao governo Cristina Kirchner na frente da gráfica do ‘Clarín’ impediu a circulação do jornal -o principal da Argentina, com 300 mil exemplares por dia- e do diário esportivo ‘Olé’, que é editado pelo mesmo grupo.


O protesto também atingiu o segundo jornal argentino, ‘La Nación’, mas a sua distribuição não foi suspensa.


Desde 2008, o governo Kirchner briga abertamente contra os dois principais jornais do país, críticos da atual administração, incentivando ou adotando medidas com o objetivo de sufocá-los.


De acordo com o ‘Clarín’, o governo descumpre uma sentença judicial de janeiro que o obriga a garantir a circulação dos veículos impressos. Caberia à Polícia Federal, que é subordinada a Garré, evitar o bloqueio da gráfica, o que não aconteceu.


Em entrevista a uma rádio, a ministra disse por que não foi ao Congresso: ‘É um show que armaram, no qual deputados renunciam aos temas nacionais para seguir em um tema que não passa de um conflito sindical que se arrasta há anos’.


Garré declarou ainda que o governo cumpriu ‘minuciosamente’ a ordem judicial, sem dar detalhes. ‘Um grupo de deputados se transformou em elemento funcional à estratégia de vitimização do ‘Clarín’. Não [podemos] transformar o ato em ataque à liberdade de imprensa.’


SÉRIE DE PROTESTOS


Desde dezembro, ocorreram cinco manifestações na porta das gráficas dos diários. A da madrugada de domingo, no entanto, foi a primeira que impediu a circulação de um jornal. Os sindicalistas alegam que pediam somente a reincorporação de funcionários demitidos.


Segundo acusação do ‘Clarín’, no grupo havia integrantes do sindicato dos caminhoneiros, controlado por Hugo Moyano, aliado de Cristina e secretário-geral da CGT (Confederação Geral do Trabalho), a maior central sindical da Argentina. Ele nega ingerência no episódio.


A Sociedade Interamericana de Imprensa, que considerou o caso um ‘grave atentado à liberdade de expressão’, vai enviar representantes ao país, no início de maio, para analisar os conflitos entre imprensa e governo.


Uma comissão da entidade pretende discutir o assunto com Cristina Kirchner.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem