Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

VOZ DOS OUVIDORES > O POVO

Paulo Rogério

27/09/2011 na edição 661
“Cadê o secretário?”, copyright O Povo, Fortaleza (CE), 24/9/11.

“Jornalismo é como uma conversa. Tanto a opinião de quem manda quanto de quem recebe a mensagem é importante” (David Klatell, professor de jornalismo da Universidade Columbia, EUA)

Os leitores do O POVO foram “brindados” na semana com quatro das oito manchetes possíveis até sexta-feira (domingo houve segundo clichê) abordando o tema violência. A primeira na segunda-feira, 19, com o início da série que abordou confrontos entre gangues rivais. Depois veio o assassinato contra vereadores no Interior (terça e quarta-feira), terminando com matéria do professor Vicente de Paulo, morto em assalto em Fortaleza, em pleno bairro central. Esta última com direito a foto na capa e na página interna mostrando o corpo da vítima. Uma imagem tradicionalmente não utilizada no jornal.

O leitor poderia até questionar se O POVO estaria descambando para a linha policial. Não me parece. Os temas ganharam força pelo impacto e relevância que tiveram na sociedade. O jornal teve como mérito sair do simples relatório policial e mostrar a reação dos familiares, a indignação de amigos e das pessoas ainda no local do crime. Foi ágil ao publicar as mensagens deixadas pelos leitores no O POVO Online – foram mais de 100. Pecou só pela foto “chocante”, a meu ver dispensável, embora nenhum leitor tenha se manifestado ao ombudsman de forma contrária.

Diante de tamanha onda de violência o que parecia básico foi esquecido: a cobrança de soluções dos gestores. No caso, uma posição oficial do secretário da Segurança Pública e Defesa Social, coronel Francisco Bezerra. O jornal registrou só uma tentativa de entrevistá-lo até a edição de sexta-feira – sem sucesso. Foi na terça-feira, no último dia da série “Territórios rivais”, antes de todos os fatos violentos se sucederam. Depois, ele foi esquecido e o leitor teve que se contentar com as versões de delegados e comandantes. Versões que parece cômodas para os jornalistas, mas incompletas para o tamanho da cobrança que deveria ter sido feita não só sobre a proliferação de gangues como também do aumento crescente dos crimes de pistolagem e da violência urbana.

Importância histórica

Se irá apurar a verdade ou não é outro caso, mas a aprovação do projeto que cria a Comissão da Verdade pela Câmara dos Deputados é um momento histórico e merecia um espaço bem maior do que a meia página dada na edição de sexta-feira, em Política. Apesar de manchete, o assunto poderia ter sido mais bem discutido indo além do que foi publicado: um texto, um quadro e um serviço que remete o leitor para consulta de sites. Essa é a primeira vez que, oficialmente, as violações dos direitos humanos cometidas no Brasil entre 1946 a 1988, incluindo o período da ditadura militar, serão apuradas. São revelações que devem mudar o que se aprendeu nos livros.

Ainda dá tempo de o jornal investir no assunto, ampliar a cobertura e dar a real importância do fato. Quem deve integrar a comissão? Quais os limites dela? Como funcionou comissão semelhante em outros países? Quais os principais casos sem respostas até hoje? O que pensa o Grupo Guararapes, a Igreja, os ex-ativistas políticos? Enfim, é preciso lembrar que muitos leitores de hoje, principalmente aqueles com menos de 35 anos, não fazem nem ideia do que foi a dura realidade daqueles tempos.

Rápido e direto

Ideias simples muitas vezes conseguem atingir o público melhor do que projetos mirabolantes. Um exemplo disso é a seção “Agenda da semana” que O POVO começou a publicar há três semanas, às segundas-feiras. Para o leitor Wagner Queiros, psicólogo de trânsito, a decisão é um excelente serviço para o assinante. “É importante porque mostra o que de mais relevante vai acontecer na cidade naquela semana. Dá para se programar”, elogia. Segundo a chefia de Redação o objetivo é ampliar as informações de serviços e, também, “dar visibilidade às questões polêmicas e ampliar a interatividade”.

Palestra

O ombudsman do O POVO ministra palestra na próxima sexta-feira, a partir das 14 horas, na Universidade Federal do Ceará, para os alunos do 3º semestre do curso de jornalismo daquela instituição. O tema será a Importância da Ética no Jornalismo.

Esquecido pela mídia: Edital do concurso para Assembleia Legislativa do Ceará

FOMOS BEM

MEIO AMBIENTE Série que discutiu reciclagem do lixo em Fortaleza como fonte de renda

FOMOS MAL

CHECAGEM Sem checar informação de site, jornal colocou senador cearense entre os mais faltosos do ano.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem