Sábado, 18 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

VOZ DOS OUVIDORES > FOLHA DE S. PAULO

Suzana Singer

06/07/2010 na edição 597

‘‘Valeu, Brasil. Nos vemos em 2014.’ O adeus à seleção, que hoje até soa simpático, causou revolta ao ser publicado, por engano, em anúncio na terça-feira, um dia depois de uma vitória acachapante sobre o Chile. Virou o assunto da semana envolvendo a Folha.

A propaganda do supermercado Extra, patrocinador oficial da seleção, dizia também que o time saía do Mundial, mas ‘não do coração da gente’. O erro aconteceu na inserção de anúncios.

O jornal tem um horário-limite para a entrega das propagandas e, como não dava para esperar o fim da partida, a agência de publicidade mandou duas versões: uma para vitória e outra para derrota.

É um procedimento corriqueiro, mas, por falha humana, foi colocado o anúncio do fim do sonho do hexa, dando a impressão -terrível para qualquer anunciante- de que torcia contra os brasileiros. E expondo algo que os publicitários não gostam de admitir: de que precisam trabalhar também com o pior cenário.

O anúncio errado ocupava um espaço estreito no caderno Copa 2010 e tinha uma formulação confusa, com parte do enunciado em zulu (‘A I qembu le sizwe’, que significa seleção). Teria passado sem tanta repercussão não fosse o Twitter.

Na segunda maior rede social no país -com mais de 10 milhões de brasileiros-, a gafe espalhou-se rapidamente. Ávidos por notícias do tipo ‘espírito de porco’, os tuiteiros se alvoroçaram (‘Isso sim é hard news!’), cobraram providências (‘Quem vai ser demitido?’) e desfiaram piadas (‘Extra será patrocinador oficial do Corinthians na próxima disputa da Libertadores’).

Houve até uma corrente conspiratória que, em 140 caracteres, acusou o jornal de manobra tucana: ‘Desconfio que a Folha trocou a propaganda do Extra em represália ao fato de a sra. Abílio Diniz ter organizado reunião de mulheres com Dilma’. Os paranoicos (não foi apenas um) referiam-se a um chá da tarde oferecido por Geyze Diniz para Dilma Rousseff e três dezenas de socialites no último dia 25.

O fuzuê foi tamanho que Abílio Diniz tuitou uma resposta dura, em sequência de posts: ‘Ontem o Brasil fez seu melhor jogo na Copa. Infelizmente, a Folha cometeu um grave erro com o anúncio do Extra, o que é inadmissível. Estou ao lado dos que se indignaram com o anúncio publicado erroneamente pelo jornal. Não compartilhamos com a impunidade e tomaremos as providências, que não eliminarão o erro, mas irão responsabilizar os culpados. Como presidente do Conselho de Administração do Grupo Pão de Açúcar, peço desculpas, em meu nome e do Grupo, aos brasileiros e, principalmente, aos jogadores da seleção’.

Além da fúria do anunciante, a Folha sentiu a força do boca a boca na era digital. O que era erro de inserção virou notícia em vários sites brasileiros e até no do jornal inglês ‘The Guardian’ (‘Anúncio de jornal elimina Brasil das finais’).

NOVA POSTURA

A Folha também reagiu no Twitter. Respondeu aos que comentavam o incidente, deixando evidente uma nova postura do jornal -foi criado há apenas três meses o cargo de editor de mídias sociais, para, entre outras coisas, acompanhar o que se diz sobre a Folha nas redes.

‘O jornal precisa se fazer ouvir e dialogar também no ambiente das mídias sociais’, afirma a Secretaria de Redação, que pretende desenvolver estratégias para a circulação de notícias, prospectar pautas e identificar tendências na internet.

O que parece óbvio para muitas empresas é uma pequena revolução na Barão de Limeira. A Folha costumava ter uma atitude estoica diante dos bombardeios que sofre no mundo digital.

No caso do Extra, o jornal foi transparente e publicou reportagem em Mercado relatando o tremendo tropeço. Isso mesmo, tropeço, engano, mancada. Imenso, mas só isso.

Por mais que queiram aproveitar o deslize para reafirmar que é impossível confiar na Folha -’Como vocês garantem que não cometem esses erros na apuração das matérias?’, perguntou um internauta-, o incidente não acrescenta nada de novo à avaliação que se faz do jornal: quem já odiava a Folha ganhou momentos de puro prazer e os que gostam devem ter dado boas risadas. Na ressaca da sexta-feira, quando o Brasil foi de fato eliminado, o apresentador Marcelo Tas postou: ‘Está confirmado. Folha é o jornal do futuro’.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem