Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1018
Menu

MOSAICO >

Tereza Rangel

04/03/2008 na edição 475

‘No último dia 22, o UOL divulgou seus resultados para o ano de 2007. No release oficial, destacava o aumento de 23% no número de assinantes de banda larga, que atingiu 973 mil em dezembro de 2007.

Como diria o Conselheiro Acácio, quanto mais usuários de banda larga houver, mais conteúdos em banda larga serão consumidos. Não é por acaso que o UOL tem aumentado o número de álbuns de fotos e a quantidade de vídeos. Até criou uma aba em sua home page para valorizar esses formatos. Acontece que achar fotos e vídeos por meio do mecanismo de busca do portal é tarefa quase impossível. O sistema de busca disponível no portal inclui somente o conteúdo em vídeo do concorrente Youtube e de alguns outros internacionais. Quem se aventurar a procurar uma foto ou um álbum fotográfico na busca de imagens também se dará mal.

Façamos um teste. Tentemos encontrar dois vídeos campeões de audiência e que estiveram na home page do UOL nas duas últimas semanas. O primeiro, do bancário que dirigiu na contramão por quatro quilômetros e morreu. O segundo, o do cinegrafista amador que flagrou uma briga de trânsito em São Paulo. Façamos as buscas usando palavras retiradas dos títulos que foram dados pela home page, ‘Bancário morre após dirigir 4 km na contramão em SP’ e ‘Cinegrafista amador flagra briga de trânsito em São Paulo’, respectivamente. Vamos fazer a busca por ‘bancário contramão’ e ‘cinegrafista amador briga trânsito’ no UOL Busca ‘Vídeos’.

Os resultados: apenas vídeos no Youtube. Nada mais.

Agora, tentemos encontrar duas fotos ou álbuns que também estiveram na home: da trajetória do líder cubano Fidel Castro e da vitória do Flamengo por virada e a conquista da Taça Guanabara. Busquemos por ‘trajetória Fidel Castro’ e ‘Flamengo virada Taça Guanabara’ no UOL Busca ‘Imagens’. Em nenhum dos casos se encontrarão fotos publicadas pelo UOL.

Isso acontece porque o UOL usa, para vídeos e fotos, o serviço de busca do gigante Google, que exclui o UOL de seu inventário de vídeos e inclui pouco do UOL no de imagens. A área de tecnologia do UOL informa que está a reconstruir completamente a busca no conteúdo próprio do UOL, independente do Google, com o objetivo de melhorar sua qualidade e poder garantir que o usuário encontrará, no UOL, o conteúdo feito pelo portal. Espera novidades para abril, mês em que o UOL completará 12 anos de vida e de busca interna deficiente. Usuários e assinantes do UOL merecem achar, com facilidade, o conteúdo produzido pelo próprio portal.

***

Os esquecidos (27/2/08)

O UOL é gigantesco, já se sabe. Muito conteúdo é criado diariamente. Há áreas, porém, que por um motivo ou outro, ficam esquecidas, sem atualização. Apontam para falta de planejamento e/ou para criação de mais canais do que a equipe tem condições de atualizar. Quem entra nessas áreas fica com a impressão de que o UOL não produz tanto assim. Em uma rápida visita a estações, é possível encontrar home pages e canais inteiros desatualizados.

***

Site de ofertas (26/2/08)

Uma das queixas mais freqüentes que chegam à ombudsman refere-se à distribuição -excessiva, para os internautas – de espaço para venda de produtos/mercadorias/publicidade na home page do portal. Ontem, o UOL aumentou a área de oferta do seu shopping, no pé da home page. A área de shopping e TodaOferta já ocupa mais de 25% da área total da home page. Levantamento anterior já mostrava que publicidade e áreas comerciais ocupam mais espaço na home page do que chamadas editoriais.

O diretor de publicidade do UOL, Enor Paiano, escreveu para explicar a medida. Agradeço a ele, sempre disposto a atender aos pedidos da ombudsman com presteza e boa vontade.

‘Com referência especificamente à caixa maior do Shopping na home, gostaria de ponderar dois pontos:

1. o Shopping não deve ser considerado publicidade, porque não é. O Shopping é uma ferramenta de busca de produtos e pesquisa de preços, com o objetivo de ajudar o internauta na escolha das suas compras. Revistas, jornais e até TVs fazem guias de compras, onde os produtos são escolhidos editorialmente por jornalistas para ajudar as pessoas nas suas compras. A única diferença é que ao invés de estar nas mãos de uma só pessoa (um jornalista), o Shopping põe o poder nas mãos do internauta, que faz as buscas que quer num grande banco de dados de produtos e serviços. Os produtos escolhidos para estar na home do UOL (ou outros destaques no portal) não fazem parte de modelo comercial, portanto, não podem ser comprados pelos clientes. O Shopping, portanto, é um conteúdo UOL, assim como o e-mail, o bate-papo e outras ferramentas populares do portal;

2. o objetivo do aumento da caixa é atender à demanda dos internautas, que têm um interesse grande no serviço. Em pouco mais de um ano de operação, o Shopping já é uma das maiores estações do UOL – segundo o Ibope /Netratings, o Shopping tem mais audiência que categorias importantes do UOL como Economia, Educação, Sexo/Adulto, Carros e mais cerca de 30 outras. Os cliques recebidos na antiga caixa comprovam o interesse do público – e acreditamos que dobrar o número de chamadas pode trazer um público dobrado também.’

Acontece que parte dos internautas vê de forma diferente e ressente-se pelo fato de áreas comerciais estarem avançando sobre o conteúdo jornalístico, de entretenimento e de serviços do portal. Ninguém reclama do fato de haver um shopping. O que incomoda parte do público é o excesso de espaço dado a esse produto na home page do portal.

Selecionei abaixo algumas das críticas dos internautas que chegam quase diariamente à caixa postal da ombudsman. É bom ressaltar que, em quase oito meses no cargo, não recebi até hoje nenhum elogio ao crescimento das áreas comerciais sobre as editoriais.

‘Sou assinante UOL há mais de sete anos. Gostaria de deixar minha queixa quanto ao espaço dedicado ao Shopping UOL na página de conteúdo, um exagero em relação às notícias e contra a proposta do site. Antigamente era um link. Depois passou para uma ‘faixa’ na direita. Hoje em dia ocupa toda a metade direita do site. Se o UOL quer ter o Shopping UOL como elemento principal de receita que crie um portal próprio para isso, e respeite os assinantes que contribuem com a assinatura para ter na página inicial conteúdo de verdade. Deve haver uma forma mais inteligente e criativa de anunciar produtos e ofertas; falta atitude e inovação!’

Henrique

‘O site UOL aumentou o espaço do Shopping UOL e transformou-se em Classificados UOL. Sinceramente o que era conteúdo virou ofertas, um site de conteúdo de ofertas! Ficou péssimo, dá um jeito nisso!’

Cássio

‘Solicito sua atenção para a página principal, enquanto existir, pois está a cada dia diminuindo e os patrocinadores, ‘alargando’. Visitei outros provedores, a nossa, além de menor, é a que tem o layout mais feio e embaralhado.’

Douglas

‘A home do UOL é uma poluição visual. Tem muito mais propagandas do que informação. Uma organização de layout seria válida na página principal desse provedor.’

Gustavo

‘Sou assinante UOL há tempos… vi a empresa crescer e fico feliz com isso… mas também, com o tempo fui vendo a empresa querer ocupar cada vez mais espaço com propagandas. Inicialmente era só um banner…. depois vieram os logo bloqueados popup… Em seguida, uma barra lateral. Alguns anos depois, duas barras laterais (de acordo com a resolução utilizada pelo usuário). Até aí tudo bem… o problema mesmo foi quando resolveram colocar anúncios entre as fotos da home. Continuando assim… meu provedor que é apenas para conteúdo acabará deixando de ser uma das páginas que mais acesso.’

Daniel

‘Sei que esse assunto já foi discutido até mesmo em sua coluna, mas continuo insatisfeita. O excesso de propagandas e anúncios publicitários na página da UOL está abusivo! Se retirarmos todos os banners e colunas do Shopping UOL, do UOL Megastore, ficaremos com um ínfimo retângulo no meio da página… Isso na verdade contradiz o lema da UOL. O melhor conteúdo. Que conteúdo, devo perguntar???? O conteúdo principal na página principal é na maioria feito de propagandas… Isso é o melhor que podem nos oferecer?’

Viviane

‘O UOL vai continuar insistindo em ser um portal de compras e merchandising ou vai voltar às suas origens, ou seja, vai dedicar de fato espaço ao conteúdo?’

Nivaldo

‘Gostaria de chamar a atenção ao fato de que a página inicial do UOL está parecendo cada vez mais como uma página de classificados, tornando a visualização cansativa para os olhos e isto passa a incomodar quando tentamos navegar na mesma.’

Reinaldo’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem